segunda-feira, 12 de março de 2007

Que tal morar num local onde não precise se preocupar com contas a pagar, não tenha violência, onde as pessoas são sempre prestativas e simpáticas, a comida seja de boa qualidade e principalmente viver na expectativa de ser sorteado e ser mandado para um local ainda melhor. Pensou? Quem não queria não é? O filme “A Ilha” conta a história de Lincoln Six-Echo, um morador de um utópico, porém rigorosamente controlado Complexo, em meados do século 21. Assim como todos os habitantes deste ambiente cuidadosamente controlado, Lincoln sonha em ser escolhido para ir para "A Ilha" – dita o único lugar descontaminado no planeta.
O que tem a ver isso tudo com as Testemunhas de Jeová? Bem, não é essa a mensagem que é passada por tal Organização para seus atuais e futuros associados, senão vejamos. As Testemunhas de Jeová dizem ser a arca de noé dos tempos atuais e finais (segundo suas profecias), um local tranqüilo, onde impera uma certa harmonia e felicidade entre seus participantes. É colocado que tudo isso é uma preparação e que esse povo está sendo selecionado e criteriosamente treinado para um novo mundo. Que tudo fora das doutrinas dessa Associação é algo nocivo e prejudicial, e que se forem fiéis vão ser (olhem a expectativa criada) salvos para viver num paraíso eterno aqui na Terra.
No decorrer do filme o personagem principal, Lincoln Six-Echo, vê que uma gaiola mesmo sendo de ouro ainda é uma prisão e vai questionar alguns comportamentos desse sistema em que está ligado. Lá tudo é controlado, desde sua alimentação até o que você lê e veste, tudo isso visando um bem estar físico e mental. Os autofalantes ressoam constantemente frases do tipo: ”Lembrem-se, sejam educados, agradáveis e pacíficos”. Isso lembra a orientação do Livro Raciocínios publicado pelas Testemunhas de Jeová ao orientar como pregar suas doutrinas as pessoas:” Tal genuíno interesse pode ser indicado por um sorriso caloroso e maneiras amigáveis, pela disposição de ouvir quando elas falam”.
No filme segue os primeiros questionamentos de Lincoln Six Echo com o responsável pelo Complexo em que vive. É perguntado a Lincoln o que o perturba, já que sua vida de certa forma não tem grandes problemas lá. Ele responde: “Bem, é que, terça feira é à noite do Tofu, e me pergunto quem decidiu que todos aqui gostam de Tofu? E o que é Tofu, afinal? Por que não posso comer bacon? Sem falar do branco. Por que todos só usam branco? Entrego para que limpem. E alguém limpa, dobra e põe na minha gaveta. Mas, quem? Quem faz isso? Não sei! Eu quero saber respostas. E eu queria mais. Mais do que apenas esperar para ir para ilha”. O doutor responde: “Lincoln, é da sua natureza questionar as coisas. Mas, não percebe a sorte que tem? Você sobreviveu a contaminação. Essa natureza deixou a você um Jardim do Éden para repovoar. Esse, Lincoln, é o seu objetivo”.

Como observamos no filme, também ocorre dentro dos muros da Torre de Vigia, uma mutilação de qualquer tipo de questionamento, pois é indagado aos seus fiéis para que você quer saber “isso”, se o futuro lhe reserva tão boas coisas? Na sua revista A Sentinela explicam sobre essa expectativa: ”A esperança que se lhes apresenta — de viver em felicidade plena num jardim do Éden restaurado na terra e ampliado mundialmente — é muito convidativo. Eles terão realmente algo pelo que viver. Dentre toda a humanidade que morara, na terra paradísica, a experiência deles, de terem sobrevivido ao fim deste iníquo sistema de coisas e de jamais serem extinguidos da terra, será sem dúvida diferente e inigualável”. (Sentinela 01/05/1984)

Na Ilha o diretor desse Complexo explica as táticas de controle dessas pessoas e vejamos sua semelhança com as Testemunhas de Jeová. No filme “A Ilha” as pessoas são controladas com a lembrança de uma contaminação global. Isso os deixa com medo de ir lá fora.

Na vida real as Testemunhas de Jeová generalizam o “mundo” como algo horripilante e degradante para um maior controle e isolamento dos seus adeptos. “O mundo inteiro jaz no poder do iníquo. Satanás promoveu o espírito que domina os pensamentos e as atividades dos dentre a humanidade que não são servos aprovados de Jeová. É um espírito de egoísmo e orgulho tão difundido que é como o ar que os humanos respiram”. (Livro Raciocínios)

No Filme, a Ilha é uma coisa que dá esperança a eles. Dá a eles um objetivo. Lembrem-se, isso é CONTROLE, mediante uma expectativa criada e re-criada.

O que dá esperança as Testemunhas de Jeová? O que os faz agir de forma tão servil, uma verdadeira fé cega? “Para os do restante dos escolhidos de Deus e os da grande multidão, isto significa emergir vivos, na carne, da grande tribulação na qual todo o atual sistema de coisas será eliminado. Diante deles estender-se-ão todas as terras da terra purificada”. (Livro “Aproximou-se o Reino de Deus de mil anos” p.405)

No filme “A Ilha”, tudo que é apresentado a eles, seus programas, desenhos, livros, jogos computadorizados, visam a controlar a agressão e reforçar habilidades sociais simples.

Na vida real a Torre de Vigia pretende ocupar seus adeptos com o maior número possível de afazeres relacionados com a seita. Vejamos isso nas suas publicações: “Está se esforçando em ler a Bíblia diariamente, assistir a todas as reuniões cristãs, ler cada número de A Sentinela e Despertai! ou talvez aumentar sua participação no ministério?” (Nosso Ministério março 2003) É desestimulado ler revistas ou livros de fora do currículo das Testemunhas de Jeová porque elas se consideram auto-suficientes com suas publicações, vejamos: O “escravo fiel e discreto” fornece-nos publicações que nos ajudam a entender a Bíblia. Essas publicações contêm uma vasta quantidade de informações sobre assuntos espirituais vitais. Elas também nos mantêm informados sobre acontecimentos mundiais importantes e seu significado, ajudam-nos a conhecer melhor a natureza e nos ensinam a lidar com assuntos que nos dizem respeito. Acima de tudo, dão ênfase a como podemos servir a Deus de maneira aceitável e ganhar sua aprovação. Essa leitura saudável o ajudará a progredir em sentido espiritual. (“Beneficie-se da Escola do Ministério Teocrático” p.23)

Resta nos perguntar se o amor a Deus e ao seu semelhante é algo controlado, organizado, arquivado, analisado por uma Organização que se diz detentora da VERDADE universal ou se o amor supera todas as coisas? Diante do que aqui foi colocado, eu prefiro acreditar que o amor não está restrito a dogmas sufocantes e castradores, ele é pura liberdade!


Categorias:

3 comentários:

  1. a seita aqui denominada Testemunhas de jeova...não so se acha detentora da verdade mais sim uma manipuladora e responsável talvez por muitas mortes hj no pais de adptos q optam por não receber sangue em operações q abrem mão de se curarem por não aceitarem a cura humana..se essa cura fosse algo errado teria deus permitido q o homem se especializasse e chegasse a esse conhecimento..e como alguem se dizer digno de deus e regeitar a um filho e dar-lhes as costas em momentos dificeis por ter sido ele desasociado..coisas desse tipo me fizeram sair e me afastar ..contem comigo para o q precisarem nesse blog

    ResponderExcluir
  2. Será que o roteirista não se inspirou nas TJs? é muito parecido mesmo; qualquer um que ouse questionar o que se passa lá dentro é mal visto.

    ResponderExcluir
  3. Kakazinha, esse é o maior perigo para uma pessoa sincera que está lá dentro. Pensa estar agradando a Deus e não nota que certos absurdo vem de homens! Ainda vou comentar sobre o sangue e mais textos sobre a perseguição aos que saem Da Torre.
    Luciano, é incrível como certos filmes ajudam a gente para esse olhar crítico que vc colocou agora!

    ResponderExcluir

Esse espaço é para um diálogo construtivo...agressões, palavrões ou mesmo ataques pessoais vão ser solenemente excluídos. Comentários que tem uma base de raciocínio e um desejo sincero para aprofundar sobre os temas citados serão muito bem recebidos e publicados. Seria interessante (não obrigatório)ao postar o usuário se identificar!