terça-feira, 29 de setembro de 2009

ENTREVISTA - Sebastião Ramos fala de sua vida e de sua DENÚNCIA ao MINISTÉRIO PÚBLICO contra a discriminação religiosa que ocorre na desassociação feita pelas Testemunhas de Jeová.

Entrevista feita por pascoalnaib

Uma recente notícia publicada em mídias digitais e em ambientes em que TJs e Ex TJs se reúnem virtualmente para trocarem idéias foi recebida com grande entusiasmo, mas notou-se uma necessidade de se ter mais detalhes e informações. Muitas perguntas ficaram no ar e principalmente como e por quê uma ex testemunha de Jeová zelosa e defensora de sua fé mudou radicalmente de opinião. Quais os motivos, interesses e objetivos? Quem é essa pessoa que só se manifesta através de artigos? Acredito que após essa entrevista poderemos ter uma visão do que está como assunto dominante no meio da ex tjs ou da dissidência ativa como já nos acostumamos a denominar.

Antes de tudo quem é esse homem que atualmente entrou com uma denúncia no ministério público contra a discriminação religiosa praticada pelas testemunhas de Jeová? Será uma simbólica mensagem de Davi contra Golias, de um cidadão contra uma corporação religiosa?

1- Sebastião Ramos que bom podermos ter essa conversa que vai ser de suma importância para sua continuidade em projetos futuros e com certeza para ter mais apoios. O que você poderia dizer sobre sua vida antes de ser TJ e como as conheceu (testemunhas de Jeová)?

Antes de tudo gostaria de agradecer a oportunidade de poder falar um pouco da minha vida já que a maioria das pessoas só sabem algo de mim pelos textos que escrevi e atualmente pela denúncia feita ao Ministério Público relacionada à discriminação feita pela Torre de Vigia a ex testemunhas de Jeová. Acho muito importante essa iniciativa.
Desde cedo minha índole sempre foi lutar contra toda forma de injustiça e seguir a Deus na religião que conheci por tradição: o catolicismo.
Todos os movimentos sociais que participei, desde os políticos aos religiosos, foram pela luta contra qualquer forma de desigualdade e pelos injustiçados socialmente.
Procurando então ser mais ativo e atuante nessa luta contra injustiças sociais ampliei meus horizontes entrando para o sindicalismo na UFC (Universidade Federal do Ceará).
Meu encontro com as Testemunhas de Jeová fez com que me deparasse com uma promessa de um paraíso na Terra e com uma mensagem que eu já acreditava e que fazia parte de minha vida: um mundo livre de opressão e de injustiças. Sendo assim iniciei um estudo bíblico e resolvi desistir de uma luta pessoal passando a acreditar que só Deus é que poderia resolver tudo. Troquei as passeatas pela pregação de casa em casa com as testemunhas de Jeová.


2- Umas das questões mais contraditórias que foi acompanhado de longe por muitos é o motivo de sua desassociação (expulsão) das testemunhas de Jeová. É verdade que você foi expulso por falar bem delas? Poderia explicar melhor isso?

As pessoas em sua grande maioria ainda não acreditam no motivo pelo qual fui desassociado (expulso) das testemunhas de Jeová. Por incrível que pareça fui expulso por pregar a mensagem que sempre foi insistentemente uma meta para toda testemunha de Jeová que é pregar as boas novas a todas as pessoas e eu fiz isso tanto pessoalmente nas pregações de casa em casa, como escrevendo artigos para um dos maiores jornais aqui de Fortaleza(CE) que é o “Jornal O Povo”.
De início todos da minha congregação achavam um ótimo testemunho essa minha forma de pregar as boas novas, porém depois vieram orientações de Betel do Brasil (filial que coordena a obra das testemunhas de Jeová) orientando aos anciãos (pastores) de minha congregação a me fazerem parar com tais artigos na mídia. Com isso deixei por duas vezes de escrever qualquer matéria retomando mais na frente sendo o resultado a minha desassociação (expulsão). Cartas de Betel foram enviadas para mim e uma delas cita:
“Alegra-nos saber de sua determinação em descontinuar com as publicações acatando os conselhos que lhes foram transmitidos pelo viajante e os anciãos de sua congregação. Que Jeová continue a abençoá-lo nos seus esforços em prol dos interesses do Reino”.
Fui expulso sem quebrar nenhuma lei bíblica no que concerne ao comportamento cristão, fui expulso por fazer algo que as testemunhas de Jeová mesmo incentivam em suas publicações:
*** Revista A Sentinela 01/03/2003 03 p. 18 par. 20 Confie em Jeová de todo o coração ***
Por outro lado, na maioria dos países somos legalmente reconhecidos, e às vezes recebemos publicidade favorável na mídia. Somos gratos por isso e reconhecemos que isso também serve ao propósito de Jeová.

*** Revista A Sentinela 01/01/2000 p. 14 par. 13 O “pequeno” tornou-se “mil” ***
Em resultado disso, o nome de Jeová tem sido amplamente divulgado em jornais e revistas, e em rádio e televisão. Isto tem produzido bons resultados na pregação. Por exemplo, na Dinamarca, um programa nacional de TV tratou do assunto “O motivo de a fé dos dinamarqueses estar declinando”. Ao lado de outros, também as Testemunhas de Jeová foram entrevistadas. Depois, uma senhora que viu o programa comentou: “Ficou bem evidente quem tinha o espírito de Deus.” Iniciou-se um estudo com ela.

Ora se reconhecem que a mídia favorável serve aos interesses de Jeová fica bem contraditória o que decidiram contra mim.

3 -Como a sua congregação acompanhou toda essa situação inusitada e como os anciãos agiram com você?

Como era muito estimado por todos os irmãos, mas não apenas por isso, os artigos eram lidos por quase toda a congregação e por meio de xerox davam testemunho na comunidade. Como eu recebia vários e mails de simpatizantes elogiando os conteúdos e a mensagem dos textos era uma alegria esse testemunho que todos repassavam. Somente após as cartas de Betel para os anciãos (pedindo que eu parasse) muitos começaram a ficar receosos de dar um apoio público e o clima ficou tenso e por vezes de constrangimento. Muitos ainda me apoiavam, mas somente em particular, pois não viam nada demais nessa forma de testemunho.

4 -Por que você insistiu em publicar artigos em jornais a favor das testemunhas de Jeová mesmo com a proibição de Betel? Vou citar aqui o que muitas testemunhas de Jeová dizem dessa sua atitude e por favor fique a vontade para refutá-las. Comentam que você queria aparecer, ter destaque, ter mais poder, que foi orgulhoso, obstinado e não soube respeitar seus líderes religiosos. Isso procede?

Sou uma pessoa simples no meu modo de vida e sempre de forma equilibrada segui os conselhos aplicados na Bíblia, pois aprendemos sempre para poder crescer como pessoa e espiritualmente e nisso acredito quando é citado “que toda escritura está apta para ensinar e corrigir em justiça.
Resolvi retomar os artigos favoráveis as testemunhas de Jeová as vésperas de uma reunião semanal na minha congregação onde li o texto que ia ser estudado (Jeremias Cap.36) que mostrava o profeta Jeremias preso e impossibilitado de divulgar as palavras para o povo e que solucionou esse problema ao convocar Baruque e ditar as pronunciações para que o mesmo fizesse isso para um grande número de pessoas. Obviamente não sou parte dessa profecia ou estou tentando me colocar como profeta de algo, mas simbolicamente eu estava limitado (preso) a pregar de casa em casa para umas dezenas de pessoas enquanto que com meus artigos poderia atingir milhares, ou seja, apenas queria que mais pessoas recebessem essas boas novas.
Quanto aos comentários que poucas pessoas fazem de eu querer glória ou fama, pelo contrário, diante de tantas pressões psicológicas no meu dia a dia, após ser discriminado por pessoas que eu sempre fui atencioso e de ser julgado de forma injusta talvez se eu tivesse me distanciado de tudo poderia ter sido a mais fácil decisão, mas seria a correta e justa? Com certeza não!
Vivemos num tempo em que é difícil alguém querer aparecer na mídia com assuntos delicados ou correndo atrás de seus direitos, pois se expor assim é desgastante, mas num caso como esse a luta continua por ser algo ético e de um questionamento salutar para nossa sociedade.


5 -Após sua desassociação o que mudou em sua vida? Como você se sentiu? Continuou a publicar artigos para jornais e revistas?

Nesse mundo todos nós passamos por injustiças, mas a minha desassociação (expulsão) foi extremamente prejudicial a minha vida, pois afetou meus laços com amigos e parentes trazendo uma condenação sem uma causa justificável e sem a mínima possibilidade de defesa ou mesmo de poder conversar com tais pessoas, visto que foram orientados a se afastar de mim evitando até mesmo um simples oi como é dito aqui nas suas publicações:
O Ministério do Reino de 08/02/02 salienta:
“Assim, evitamos também o convívio social com quem foi expulso. Isso significa que não vamos com ele a piqueniques, festas, jogos, compras, ao cinema, nem tomamos refeições com ele, quer em casa quer num restaurante...E quanto a falar com o desassociado? Um simples ‘Oi’ dito a alguém pode ser o primeiro passo para uma conversa ou mesmo para amizade. Queremos dar este primeiro passo com alguém desassociado?... Mesmo que houvesse alguns assuntos familiares que exigissem contato, este certamente ficaria reduzido ao mínimo, em harmonia com a ordem divina de cessar de ter convivência com qualquer que tenha pecado e não tenha se arrependido”.
Não posso andar de cabeça erguida nas ruas de meu bairro para evitar um vexame de encontrar com meus antigos amigos e irmãos de fé e ser cruelmente evitado ou mesmo vê-los mudar de rua para não passarem perto de mim. Sem contar que tenho que conviver com alguns no meu trabalho onde antes almoçávamos e tínhamos todo um contato amistoso durante o dia de expediente.
Diante de tamanha discriminação resolvi denunciar esse sistema desumano e preconceitouso chamado desassociação que é praticado pelas testemunhas de Jeová e aproveitando que o tema excomunhão na igreja católica estava na mídia fiz meu primeiro texto após minha expulsão das testemunhas de Jeová que foi: “Quem tem autoridade para excomungar?”
O resultado? A mídia e a sociedade ficaram mais estarrecidas com a desassociação das testemunhas de Jeová do que com a excomunhão católica.


6 -Alguns afirmam que essa sua atitude de denúncia é apenas mágoa por ter sido expulso das testemunhas de Jeová e que voltaria correndo se fosse novamente reintegrado e “perdoado”. Todo seu empreendimento é apenas um capricho e vingança pessoal?

Mágoa: esta palavra não encontra-se em meu vocabulário e principalmente está longe do meu coração. Com certeza o fato de repentinamente toda uma crença que eu julgava saudável e de pessoas que eu confiava terem me rejeitado como se eu tivesse com alguma doença contagiosa afeta qualquer ser humano e sempre acarreta uma tristeza e espanto diante de algo tão cruel e que se mostra totalmente contrário ao amor cristão.
Meu empreendimento ganhou mais força e até se tornou mais importante quando encontrei centenas de casos parecidos e até piores que o meu nos depoimentos em vários fóruns e comunidades onde se reúnem ex testemunhas de Jeová. Percebi que minha dor e injustiça era apenas um eco de tantas outras e que agora poderemos juntos nos fazer ouvir pela justiça e pela sociedade que não tolera mais nenhum tipo de preconceito.

7 - Qual motivo de não se ver Sebastião Ramos em comunidades ou fóruns na internet que tenham ex testemunhas de Jeová? Você não concorda com as críticas feitas lá as testemunhas de Jeová? Você acha válido esse movimento? Qual mensagem você gostaria de passar para essas pessoas?

Os fóruns são muito instrutivos para ex testemunhas de Jeová e para testemunhas de Jeová que tem alguma dúvida, ou mesmo para uma pesquisa por parte de algum simpatizante ou de alguém que busque informações respaldadas e de confiança.
Fiz algumas consultas e sempre me beneficiei das informações e das discussões que são colocadas, no entanto passei a refletir que precisaríamos dar um passo além de Blogs e Sites visando mobilizar e sensibilizar a sociedade em geral que não teria acesso a essas denúncias nesses ambientes que acabam sendo restritos a um nicho específico.
Outro ponto que pensei é que a maioria desses ambientes virtuais são taxados de forma pejorativa pelas testemunhas de Jeová como algo indecente e até mesmo demoníaco o que afasta muitas testemunhas de Jeová de lerem algo e já com matérias em jornais e na mídia é mais fácil a mensagem chegar e ser lida.
Gostaria de deixar meus parabéns a esse esforço de muitos, porém gostaria de observar e sugerir uma união para algo maior. Infelizmente vi e li muita coisa que fica no campo de disputas pessoais e que não faz nenhum bem a nossa luta contra as injustiças da Torre de Vigia. É um momento de pelo menos respeitar uma causa e de se preocupar menos com desavenças pessoais. Não faz o menor sentido uma luta sem pelo menos uma visualização de um ideal maior. Chega de julgamentos pessoais, troca de farpas e de citar nomes. Digo isso não com autoritarismo ou como que querendo mandar, mas gostaria de me comunicar com todos, mas com todos que queiram esquecer suas desavenças e lutar juntos por uma causa maior. Espero ver humildade e equilíbrio entre todos que se dizem dissidentes, pois agora entraremos numa fase em que mais holofotes estarão apontados para nós e que impressão passaremos? Pensem nisso por favor.


8 - O que levou Sebastião Ramos a se dirigir ao Ministério Público e fazer a denúncia formal de discriminação religiosa praticada pelas testemunhas de Jeová? Você falou para mais alguém que iria fazer isso ou mesmo alguém agilizou isso? Alguém te ajudou diretamente ou foi uma decisão pessoal sua?

Os artigos publicados na mídia com os temas “Quem tem autoridade para excomungar” e “Episódios relevantes que mudaram a História do Brasil” cumpriram um papel importante para a denúncia contra a forma preconceituosa da desassociação (expulsão), algo que poucos sabiam fora do meio da testemunhas de Jeová.
No sindicalismo aprendi que nossas lutas reivindicatórias quando não estão mais surtindo o efeito esperado devem ser redirecionadas para atingir uma outra prioridade. Assim comecei a amadurecer minha intenção de fazer uma denúncia formal ao Ministério Público e comentei com algumas pessoas esse meu desejo, porém gostaria de salientar que nem mesmo eu sabia quando iria fazer isso, então ninguém sabia o que eu iria fazer e ninguém teve alguma informação antecipada disso, ou mesmo me auxiliou nos bastidores do Ministério Público. Sendo assim numa decisão solitária, mas não egoísta vale salientar, fiz a denúncia sozinho e com minhas limitações, mas com toda uma garra e esperança de estar fazendo a coisa certa. Somente depois de formalizado tudo por minha pessoa e com a ajuda de Deus (que confio bastante) foi que outras pessoas vieram a saber da denúncia, mas o que eu escrevi, o número do processo, o local da denúncia não foi acessado ou compartilhado com ninguém.
Com certeza agradeço e preciso de todo apoio daqui por diante, mas para termos algo mais produtivo para me ajudar e ajudar nossa causa gostaria que qualquer contato fosse feito para o meu e mail, pois não posso autorizar ninguém a pedir nada em meu nome, pois já gasto muito tempo com esse assunto e não posso me responsabilizar se outra pessoa começar a querer intermediar um assunto que na realidade terá que ser tratado comigo.
Apenas para dizer como estão atualmente as coisas: entrei com uma denúncia na SECRETARIA EXECUTIVA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA no NÚCLEO DE DEFESA DA CIDADANIA e que gerou um processo que ao ser analisado na Promotoria Cívil, foi encaminhado para Promotoria Criminal em que gerou outro processo, e este, está sendo encaminhado para uma investigação.
Não desistamos de reconstruir o nosso ninho, mesmo que venha a ser derrubado por inúmeras vezes. Se ainda não conseguimos atingir o alvo, alguma coisa já foi feita. Não é por nada que em Fortaleza, alguns anciãos estão ponderando para abrirem uma comissão judicativa, pois preferem que as pessoas se dissociem. Conclusivamente, eu diria que, O Deus dos céus que é revelador de segredos, continua ouvindo as nossas orações, de diversas formas, seja pelas circunstâncias, por um conselho de um amigo, pela leitura da Bíblia, enfim..., independentemente, da posição em que nos encontremos, concernente a nossa fé. Ao surgir fatos novos sobre o andamento do processo e a possíveis mobilizações que serão feitas aqui em Fortaleza, retornamos a informar.

Contato com Sebastião Ramos:
sebastianramos7@gmail.com


http://extestemunhasdejeova.org/forum/viewtopic.php?f=16&t=3162


Categorias:

17 comentários:

  1. EXELENTE ENTREVISTA CONTINUE ASSIM ESTE TRABALHO E LINDO POIS COM SERTEZA RECEBERA O TEU GALARDÃO NO CEU DE LUZ ABRAÇÃO FIQUE NA PAZ DE CRISTO!!!!!!!!!!!!1

    ResponderExcluir
  2. Pelo que me parece Sebastião Ramos não foi desassociado pelas reportagens. Mas sim pelo contato constante com ex- tjs.O fato de agora ele mostrar de qual lado está prova de que deveria não continuar sendo uma Testemunha de Jeová!


    Ass: Lincoln

    ResponderExcluir
  3. Lincoln a desassociação não foi fantasma ou imaginária e aconteceu desrespeitando a cidadania e mostrando o que poucas pessoas sabiam: as testemunhas de Jeová são intolerantes e discriminam as pessoas na questão religiosa.
    A opinião pública e a justiça agora vão agir!

    ResponderExcluir
  4. Apesar de defenderem a Torre de Vigia, as TJs sentem que há algo de errado. O simples fato de chegarem até aqui prova isso. Sou Testemunhas de Jeová, e não saio justamente pelos motivos considerados pelo Sebastião. Imagino a quantidade de TJs que estão nesta mesma situação.
    http://analisetj.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. o sr sebastiao mente ao falar dos reais motivos da sua dessassociaçao.

    ResponderExcluir
  6. Oi anônimo que diz que Sebastião mente. Será que temos aqui nos visitando um dos anciãos que fizeram a comissão, ou apenas, um pré julgamento?

    ResponderExcluir
  7. Parabéns Sebastião.
    As pessoas que te conhecem sabem que vc é um ser determinado e iluminado por Deus para continuar sua luta. Você é um trabalhador incansável e uma pessoa que não desiste da luta.
    Te admiro muito e gostaria muito de ter esta sua capacidade.
    Os que te julgam também serão julgados.
    pois creia em Deus e continue a sua luta, o tempo dirá se você esta certto ou errado.

    ResponderExcluir
  8. Eu ja vi de perto como eles agem,na minha familia tem TJ,e nao culpo quem segue agir assim,acho que existe sim lavagem cerebral em certas seitas religiosas.

    ResponderExcluir
  9. Muitos admiram o Sebastião e continuam na organização.
    Quanta covardia.

    ResponderExcluir
  10. Sempre achei "interessante"as religiões,e por isso me tornei uma pesquisadora.Estou na medida do possível,lendo,assistindo depoimentos,navegando em sites e blogs como este,para entender e aprofundar meus conhecimentos sobre religiões.Não sou membro de nenhuma doutrina religiosa,acredito em Deus Todo-Podereso,em Jesus Seu filho,nosso Salvador e creio na bíblia como Palavra de Deus.O que tenho observado humildemente é que,todas as pessoas que eram de alguma denominação religiosa,que começam a denegrir a imagem da mesma,é por motivos por não ter uma certa notoriedade entre seus irmãos de fé.Em todas as religiões em que pesquisei e continuo pesquisando,elas tem suas"regras" doutrinárias.A igreja católica,que poucas pessoas sabem, é uma das religiões mais severas que existe no mundo!!!Talvez se todos os católicos seguissem todas as "regras" que sua religião ensina,seriam confundidos como evangélicos.Eu conheço um pequeno grupo que,seguem rigorosamente o que o catolicismo prega,que eu mesma sem antes saber da sua crença,pensei que fossem evangélicos,por até então pensar que essa denominação fosse a mais rígida.O que estou tentando escrever,é que todas as religiões tem suas práticas,sejam elas certas ou não,pois não tenho a pretensão de julgar,porque são doutrinadas por homens,e sabemos que por sermos imperfeitos tudo que fazemos também é imperfeito.Quando alguém decide seguir um ensinamento religioso,bem sei que tudo lhe é imformado.O sr.Sebastião sabia que, o que estava fazendo ia totalmente contra as regras de sua igreja.Ele não foi pego de surpresa quando as autoridades religiosas,o afastaram de seu convível.O sr.Sebastião.é mais um em uma minoria de pessoas que se sentem frustadas quando o seu desejo pessoal não é aceito pela a maioria de sua convivência na fé!Tenho vários amigos de diferentes denominações religiosas,como budistas,espíritas,católicos,evangélicos,messiânicos,etcs...E na maioria já me disseram que não uma classe de religiosas que mais estudam e conhece a bíblia são as TJS.Não estou tomando partido nem por A nem B,embora alguém não veja desta maneira,apenas acredito, se o sr.Sebastião tivesse pedido com humildade e muita fé que Deus fosse seu Advogado nessa causa,nem eu e muitas pessoas não estariamos pensando que ele quer seus 15 minutos de fama.Tudo tem regras,e devemos cumprí-las.O banco tem regras,estabelecimentos de ensino tem regras,hospitais tem regras,no meio familia também existem regras,tudo tem regras...O sr.Sebastião menciona a questão do seu direito,onde nossa lei maior a constituição,nos dá essa garantia,mas volto a escrever,o sr.Sebastião quando se associou com essa doutrina ele conheceu as regras.Denegrir a imagem dos TJS,e impor a sociedade que sejam solidárias a sua causa,mostra não só pra mim,mas para muitos que o sr.Sebastião não quer assumir sua responsabilidade,e sim passar uma impressão errônea de injustiçado.Os meios de comunicação,adoram sim assuntos"delicados".Dá audiência,vende jornais...Essa polêmica criada,aumenta mais ainda uma intolerância que as pessoas tem umas contra as outras em um leque de diferenças,seja religiosa,étnica,de pensamentos,atitudes,reações...Espero sinceramente que o sr.Sebastião reconsidere suas atitudes,e ponha em prática o que todas as religiões no mundo prega:"O AMOR" ao próximo.Por favor perdoe-me se minhas palavras foram absurdas ou tolas,mas tento sempre que vejo alguém denegrir as pessoas que estejam certas ou não por serem diferentes,mudar seu modo de pensar e colocar seu coração nas mãos maravilhosas de Deus."PARA TODA AÇÃO,HÁ UMA REAÇÃO"...contrária:Pense nisso!!!Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  11. Nanda Deixe eu fazer as considerações:
    1- Toda instituição(religiosa,comercial,política etc) tem regras a serem obedecidas e a quebra dessas regras pode levar a uma punição.
    2- Toda disciplina ou regra que ULTRAPASSA os limites do bom senso e que VIOLA leis e a DIGNIDADE de uma pessoa se torna CRIME!
    3- O fato de saber de uma futura punição não GARANTE a LEGITIMIDADE dessa punição. Um exemplo prático: compro uma geladeira e nas prestações vem o valor de uma multa caso atrase e assino um documento concordando, PORÉM se depois percebo que é ABUSIVO a cobrança, mesmo tendo ASSINADO um CONTRATO recorro a JUSTIÇA que me dá ganho de causa e invalida tal CONTRATO e PUNE os envolvidos.
    4- Quem é DESASSOCIADO não é simplesmente por cometer um pecado bíblico padrão como adultério. BASTA SIMPLESMENTE eu não acreditar que a Torre de Vigia é o ÚNICO canal de Deus na Terra, basta eu rejeitar a data de 1914 como Jesus entronizado ou outras coisas que não envolvem nada BÍBLICO, ou seja, o JULGAMENTO é feito as escondidas com anciãos que decretam sua punição independente de pecado bíblico ou não.
    5 - Desassociam MENORES e isso é CRIME de acordo com o Estatudo da criança e adolescente...e idosos ferindo o Estatuto do idoso.
    6- Os dissociados (meu caso) pedem para sair e eu saí sem nenhum pecado bíblico e porque o tratamento discriminatório?

    ResponderExcluir
  12. http://www.tjce.jus.br/noticias/noticias_le_noticia.asp?nr_sqtex=20616#topo

    Justiça extingue ação penal contra membros da Congregação das Testemunhas de Jeová


    A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) determinou, nesta terça-feira (31/08), o trancamento da ação penal movida contra Francisco Ribeiro Rebouças Júnior e Fernando Andrade Chagas, membros da Congregação das Testemunhas de Jeová, em Fortaleza. Os dois estavam sendo acusados de impedir o contato de Sebastião Ramos de Oliveira, desassociado da Congregação, com os integrantes daquela comunidade.

    Conforme denúncia do Ministério Público (MP), Sebastião Ramos de Oliveira saiu da Congregação das Testemunhas de Jeová em dezembro de 2008. Por conta disso, ele teria sido impedido por Francisco Ribeiro e Fernando Andrade, respectivamente, presidente e coordenador da congregação, de manter “convívio social e familiar” com os membros da referida entidade. Essa postura, de acordo com o MP, infringiria o art. 14 da lei nº 7.716/89, que cuida dos casos de discriminação por motivo de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

    A defesa dos acusados ingressou com pedido de habeas corpus (nº 44832-87.2010.8.06.0000/0) no TJCE requerendo a extinção da ação penal instaurada, alegando ausência de justa causa. O processo tramita na 6ª Vara Criminal da Comarca de Fortaleza.

    Ao julgar o caso, a 1ª Câmara Criminal decidiu, por unanimidade, conceder a ordem para trancar a ação. “Não vislumbro, na escusa ao trato cotidiano, qualquer forma de discriminação, impedimento ou obstacularização. Há, sim, uma escolha por adeptos de credo religioso que, errado ou certo, apregoam a indiferença diante daqueles que, antes irmanados, abandonaram a crença, o que lhes parece lógico, pois resultante de interpretação da Bíblia Sagrada”, afirmou o relator do processo, desembargador Francisco Pedrosa Teixeira.

    O relator finalizou: “Gostemos ou não, isso faz parte da liberdade de culto, sacramentada constitucionalmente. Levar a conduta ao patamar de ilicitude penal me parece demasiado. Ressalte-se que a vítima, em nenhum momento do inquisitório, acusou os pacientes, preferindo generalizar, afirmando que a discriminação era incentivada pelos dirigentes da aludida religião em todo o país. Se assim é, que seja acionada toda a comunidade eclesial

    ResponderExcluir
  13. meu amigo o nosso Deus JEOVÁ QUE SIGNIFICA ELE CAUSA O QUE VENHA A SER NUNCA ESTEVE NO SEU INTIMO QUE , MAS ELE DESEJA QUE VOCÊ VOLTE ENQUANTO A TEMPO POZ 2 PEDRO3:9 DIZ QUE ELE E PACIENTE CONOSCO POZ NÃO DESEJA QUE SEJAMOS DESTRUÍDOS.

    ResponderExcluir
  14. Li sua entrevista, parabéns Sebastião! Agora entendi de onde vem sua força moral: de Deus e da luta por um tratamento respeitoso e justo. Cristo está contigo!!!

    ResponderExcluir
  15. Parabéns, querido! Que nosso Senhor Jesus continue te ajudando a lutar contra as injustiças. Deus é amor. Sou filha de TJ e devido a tanto sofrimento, indiferença, abandono e mágoas, não falo com minha "mãe" há mais de 15 anos. Graças a Deus por isso. Sofria no início, agora vejo que é uma pobre coitada cheia de conflitos...deve ser mais uma covarde em temer perder os "amigos" da religião.
    Eu sou o caminho, a verdade e a vida,disse Jesus.
    Ele te ama. Ore. Fale com nosso Senhor, que se fez humano e conhece tuas dores e sara tuas chagas.
    Um bei

    ResponderExcluir
  16. Estranho, enquanto esse Sr. postava artigos sobre as Tjs pouco se importou com quem era desassociado, mas qdo a corda foi no pescoço dele ai sentiu o qto aperta. Não sou mais TJ e digo isso pq neste mesmo forum ja tive a oportunidade de lhe perguntar isso e ele sequer teve coragem de responder. Mas aqui vai a pergunta novamente Sr. Sebastião Ramos: enquanto o Sr. foi Testemunha de Jeová e postava artigos falando bem delas e pregando as boas novas, o Sr. também postava o qto não concordava com a desassociação de outros membros? espero que desta vez o Sr. responda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gerson não vou responder pelo Sebastião Ramos, pois ele é de maior, mas o fato de ele ter ou não se preocupado com os desassociados antes de ele mesmo se tornar um, não invalida a forma desagregadora e discriminatória que a Torre de Vigia usa dessa punição. Se quer perguntar para ele diretamente sugiro entrar no site da ABRAVIPRE.

      Excluir

Esse espaço é para um diálogo construtivo...agressões, palavrões ou mesmo ataques pessoais vão ser solenemente excluídos. Comentários que tem uma base de raciocínio e um desejo sincero para aprofundar sobre os temas citados serão muito bem recebidos e publicados. Seria interessante (não obrigatório)ao postar o usuário se identificar!