terça-feira, 21 de julho de 2015





É domingo e Pablo com 8 anos de idade tem um convite para uma festa muito especial de uma amiguinha da escola. Mas, Pablo é filho de Testemunhas de Jeová e comemorar aniversários é algo considerado como pagão e demoníaco. 

É domingo e pela primeira vez, Pablo está indo pregar de casa em casa com sua mãe. 

É domingo e atrás de cada porta, há um desafio , um teste , uma surpresa e Pablo é obrigado a ir com sua mãe que acha que o fim do mundo está prestes a ocorrer e que somente pregando a doutrina de sua religião é que ela e quem ouvir será salvo. 

É domingo e mais uma criança filha de pais Testemunhas de Jeová será doutrinada e treinada para achar que somente sua religião é a única certa no universo.

Mais uma criança será constrangida e aterrorizada com a ameaça de que se não fizer esse proselitismo o próprio Deus Jeová a desprezará. Isso é algo cruel!

Mais informações:


116 Festivais / 33 Países / 20 Prêmios.
"Dios por el Cuello", um curta-metragem de José Trigueiros,


Categorias: ,

14 comentários:

  1. Triste realidade a qual fui criado . Ainda bem que creci e fiz minhas proprias escolhas . Nao ha melhor sensaçao do que ser livre deste fanatismo ..

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amiga pergunte a sua familha se eles ja lerao a biblia onde diz que pais nao salvarao filhos nem filhos salvarao pais essa crensa e muito imbecil sao todos neuroticos loucos

      Excluir
  3. "Não esqueçam que muitas crianças ficam alegres e felizes em pregar de casa em casa!"

    Toda família deve ter assegurado o direito de ensinar seus filhos segundo suas crenças... Se não for assim, devemos ao menos deixar de hipocrisia e parar de fingir que vivemos em um estado democrático!

    Não podemos esquecer que Deus não espera que nos tornemos cidadãos responsáveis perante o Estado, mas que sejamos obedientes e leais a Ele (Deus)!

    "Temos que obedecer a Deus como governante antes que à homens." Atos 5:29

    Aliás! A Bíblia nos ensina o que é aceitável à Deus!
    Mas quem decide quais crenças realmente visam a construção de um cidadão responsável perante a sociedade? E se estas crenças impostas entrarem em conflito com as leis de Deus! Como fica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo Santos essa "certeza" de que muitas crianças ficam alegres é um pouco forçada, pois nenhuma criança nasce com alguma religião, ou seja, ela é ensinada ou imposta.

      O grande problema das Testemunhas de Jeová é que essa escolha é sem volta, pois não existe a opção da pessoa querer sair depois de batizada, pois é decretada uma morte social e ninguém mais pode falar com essa pessoa. Então, me diga onde está o correto nessa forma desvirtuada da fé?

      Ser um cidadão justo é saber ter autonomia, algo que é proibido numa religião fundamentalista que são as Testemunhas de Jeová. Outro ponto é que muitas vezes o fazer correto da Bíblia é bem diferente do fazer o que a religião americana das Testemunhas de Jeová quer. Existe uma grande diferença!

      Excluir
    2. Se vivemos numa democracia , ou um livre arbítrio, ao menos deveríamos pesquisar esperar a criança crescer ,ter entendimento , para depois fazer suas escolhas..
      Não é porque VC acredita em deus, que tem o direito de fazer uma lavagem cerebral covarde numa criança, que não sabe se defender dessa alienação mental.
      Se seu deus e de fato todo poderoso, Que ele o faça!
      Vc tem medo do que?
      Que confiança VC tem no deus que professa?
      Não é VC que prega por aí , que aquele que crê em deus está salvo tu ectua casa?
      Ou está parte pula?
      Pra que escreveram isso?se VC vai vir com a desculpa que a salvação é individual?
      Então VC fala pela criança, que ela era feliz batendo de porta em porta?
      Quando algo é bom, nunca chega a ser oferecido em sua porta..
      E nem feito propaganda... Um produto bom se vende por si só...
      Vcs vem com a desculpa de que está escrito:
      IDE e pregsgai o evangelho a todos...
      Porque não vão fazer isso no Afeganistão..?
      Ao invés de ficar enchendo o nosso saco?

      Excluir
  4. Eu não gostava de ir ao campo. Lembro que quando era adolescente, todo domingo era obrigação ir pregar, se eu ficasse um domingo sem ir, era o dia todo ouvindo sermão dos meus pais. Diversas vezes tive que levantar da cama a força, debaixo de ameaça de apanhar e obrigada a ir, não via sentido em fazer isso forçado. Desde pequena tinha que entregar relatórios da quantidade de horas feitas no serviço de pregação. As vezes eu inventava dor de cabeça pra poder ficar em casa. É muito constrangimento para uma criança. Cabe lembrar que na organização das TJs, as crianças são consideradas mini adultos, o discurso dos mais velhos é que criança não tem que ter vontade, tem que ser obrigada mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. minha filha quando ficou de maior abandonou a religião e eu a compreendi. Não a precionamos apenas ficamos tristes e sempre que podemos incerntivamos-a a voltar.

      Excluir
  5. Sou testemunha de Jeová apenas para manter a união da familia e segurar meu casamento.

    ResponderExcluir
  6. minha situação e inversa , eu nao sou TJ mas meu marido é, e meu casamento esta uma
    droga , 2 filhos vao mas nao são batizados e outros dois nem quer saber de Tj, que para
    mim e uma vitoria.

    ResponderExcluir
  7. Deus, Deus, Deus .....
    A humanidade, ao menos a parcela que acredita, fica defendendo esta criatura como se ela, em despeito da falta de indícios, realmente existisse. Um ser supremo e poderoso dispensaria acólitos e representantes dada sua infinita e poderosíssima força. Não há e nem nunca houve tal força.

    ResponderExcluir
  8. que senhor me perdoe mais nao frequentaria essa doutrina dessa seita reprenssiva de jeito nenhum ta certo que todos nos devemos buscar a sinceridade com Deus em nosso coraçao mais lavagem celebral e repressividade social é muita abusiva por parte deles ou de quais quer outras religioes/seitarivas

    ResponderExcluir

Esse espaço é para um diálogo construtivo...agressões, palavrões ou mesmo ataques pessoais vão ser solenemente excluídos. Comentários que tem uma base de raciocínio e um desejo sincero para aprofundar sobre os temas citados serão muito bem recebidos e publicados. Seria interessante (não obrigatório)ao postar o usuário se identificar!