segunda-feira, 30 de maio de 2011



O Corpo Governante das testemunhas de Jeová sempre deixou claro que realiza uma cuidadosa pesquisa bíblica, que analisa exaustivamente o texto e o contexto das escrituras sagradas, e com a orientação do espírito santo, fornece o alimento espiritual no tempo apropriado.  As testemunhas de Jeová estão certas que o Corpo Governante é orientado por Deus, assim a doutrina deles que proíbe a transfusão de sangue é encarada como uma proibição divina. Será?

Sabemos que a lei mosaica foi abolida por Cristo, e o único texto das escrituras gregas cristãs que trata da questão do sangue encontra-se no capítulo 15 de Atos. Será que foi analisado com cuidado o texto e o contexto de Atos, que tratam da questão do sangue? Vejamos!

Eis o texto:  “Pois, pareceu bem ao espírito santo e a nós mesmos não vos acrescentar nenhum fardo adicional, exceto as seguintes coisas necessárias: de persistirdes em abster-vos de coisas sacrificadas a ídolos, e de sangue, e de coisas estranguladas, e de fornicação. Se vos guardardes  cuidadosamente destas coisas prosperareis. Boa Saúde para vós!”

Este texto prova que Jeová decidiu proibir o sangue para os cristãos? O contexto pode revelar algo sobre o assunto, leiamos o contexto.

Atos 15: 1e2 relata que os cristãos judeus estavam exigindo que os cristãos gentios seguissem a lei mosaica, e que inclusive fossem circuncidados. Os gentios não estavam dispostos a seguir a lei mosaica, por isto estava havendo muita dissensão e disputa entre eles. Foi necessário que Paulo e Barnabé fossem a Jerusalém para resolver a disputa.

Reunidos em Jerusalém os apóstolos e anciãos foram tratar do assunto, Atos 15:5 diz que alguns queriam que os gentios seguissem a lei mosaica e que fossem circuncidados, em Atos 15:9e10 notamos Pedro tendo outra opinião, dizendo que não era necessário os gentios se circuncidarem.  Os apóstolos e anciãos reunidos em Jerusalém não estavam conseguindo chegar a um acordo se os gentios deveriam ou não seguir a lei mosaica.

Tentando resolver o impasse Tiago começa a falar, agora vejam como ele concluiu seu raciocínio: “Por isso, minha decisão é não afligir a esses das nações, que se voltam para Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das coisas poluídas por ídolos, e da fornicação, e do estrangulado, e do sangue.”  - Atos 15: 19e20.

Dá para notar que os apóstolos não estavam proibindo, mas sugerindo que os gentios seguissem algumas normas da lei mosaica a fim de que a paz prevalecesse entre eles e os cristãos judeus que ainda seguiam a lei.

Agora respondam honestamente. Quem decidiu sobre aquelas questões, Jeová ou homens?

Para não restar dúvidas que as resoluções da reunião de Jerusalém foram decisões humanas e não divinas leiam Atos 21: 25: “Quanto aos crentes dentre as nações, já avisamos, dando a nossa decisão, de que se guardem do que é sacrificado a ídolos, bem como do sangue e do estrangulado, e da fornicação.” Algum tempo depois, novamente Tiago afirma que a decisão foi deles, e não de Jeová.

Portanto nem Jeová nem Jesus nunca proibiriam o sangue para os cristãos, os apóstolos sugeriram que os cristãos gentios se abstivessem de sangue a fim de agradar e apaziguar os judeus.

É claro que a decisão dos apóstolos foi acertada e teve a aprovação de Jeová, pois tudo indica que ela ajudou a promover a paz (pareceu bem ao espírito santo e a nós mesmos).

No entanto, concluir que Jeová proibiu o sangue é algo totalmente sem lógica, é não ter bom senso, é faltar com a verdade.

Entender que a decisão dos apóstolos é uma lei divina, e obrigar as Testemunhas de Jeová a seguir esta “lei” humana, a custa da própria vida, ou então encarar a desassociação, equivale a condenar uma pessoa que precisa de transfusão de sangue a morte, equivale a assassinato.

Infelizmente o Corpo Governante não da sinais que irá reconhecer seu erro, por meio de sofismas e de falsos raciocínios, eles tem feito verdadeiro malabarismo para continuar proibindo a transfusão de sangue.

Queridas testemunhas de Jeová, deixem que seu amor e seu bom senso fale mais alto, não permitam que estes falsos instrutores continuem a enganá-los, não sejam participes desta doutrina assassina da proibição de transfusões de sangue.



22 comentários:

  1. Olá! Tudo bem? Pasqual! tenho analisado seu Blog nesses últimos dias,apesar de vc aparentar ser uma pessoa do bem tenho observado que no seu Blog contem varias mentiras, estarei postando meus comentários a partir de agora, não para dar credibilidade para esse Blog,(pois não merece) mais para informar as pessoas de bem o quanto de veneno existe nessas suas mensagens. Não sei o por que dessa sua revolta contra as Testemunhas de Jeová, mais na minha opinião, vc esta magoado de ter sido repreendido e seu orgulho não deixa vc reconhecer,mostrando assim o tipo de pessoa que vc é.

    Vai uma mensagem para vc refletir!!!!!!!!!!


    Se alguém de vós tiver falta de sabedoria, persista ele em pedi-la a Deus. — Tia. 1:5.

    Quais seguidores do Salomão Maior, como podemos nos beneficiar da sabedoria divina? Visto que a sabedoria de Jeová é revelada em sua Palavra, a Bíblia, temos de estudá-la cuidadosamente, em especial o registro das palavras de Jesus, e meditar no que lemos. (Pro. 2:1-5) É preciso também perseverar em pedir sabedoria a Deus. A Palavra de Deus nos garante que nossas orações sinceras por ajuda serão atendidas. Com a ajuda do espírito santo, encontraremos na Palavra de Deus joias de sabedoria que nos habilitam a lidar com desafios e a tomar decisões sábias. (Luc. 11:13) Salomão também foi chamado de “congregante” que ‘continuamente ensinava o conhecimento ao povo’. (Ecl. 12:9, 10) Jesus, como Cabeça da congregação cristã, é também um congregante de seu povo. (João 10:16; Col. 1:18) Portanto, fazemos bem em assistir às reuniões congregacionais, onde somos ‘ensinados continuamente’

    ResponderExcluir
  2. Olá Leonardo tudo bem? Gostaria de lhe informar que pedi dissociação, ou seja, dentro da Torre de Vigia não cometi nenhum pecado bíblico e saí por vontade própria e por perceber todos os erros e fundamentalismos por ela (Torre)feitos.
    Sua análise se mostra muito superficial, pois apenas ficou no "achismo" o que qualifica seu comentário como algo raso e sem embasamento. Fica a sugestão de você tentar realmente mostrar as mentiras, pois se assim o fizer eu lhe garanto que deleto esse Blog. Fica o desafio!

    ResponderExcluir
  3. Olá Pascoal tudo bem? Mais uma vez venho para falar a verdade que vc tanto deturpa. 1° quero informar para vc que a Associação ou a Torre de Vigia (como queira) não classifica pecado,quem mostra o que e certo ou que é errado é a bíblia, se vc quer segui-la ou não,É PROBLEMA SEU. Porem vc atacar dessa forma a Associação ou a Torre de Vigia (como queira) é vergonhoso. A Associação tem mais de 100 anos, ela está em mais de 235 países e ilhas (mais do que vc imagina existir) são mais de 7.000.000 espalhadas pelo planeta. Ai vai a pergunta: E VC, QUEM É ???

    2° vc informou que e dissociado (pessoa que desiste de ser Testemunha de Jeová) perguntas:

    (01) Você sabia de tudo isso antes de ser batizado,por que então se batizou?(já que vc quis passar por uma consideração)

    (02)Já que vc passou na consideração e confessou que queria ser Testemunha de Jeová vc no dia respondeu duas perguntas, será que conseguiu cumpri-las?

    (03)Será que uma pessoa que jura fazer algo sabendo com antecedência, e não faz, merece credibilidade?(se essa pessoa não cumpre o que ela diz, fica dificílimo acreditar no que ela diz).

    Assim seu Blog não contem veracidade a respeito de certos assuntos como sangue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom e a primeira vez que entro no blog,e quando li essa agressao da parte do senhor leonardo tive vontade fazer umas perguntas: o senhor so entrou no site para ofender o autor?
      O senhor como tjs deveria entrar em sites «apostatas»?
      E a maior duvida:o senhor sabe o valor de um ser humano para Deus?se sabe pense na pergunta que fez:e vc quem e?
      Respondo:e um ser tao amado por Deus como vc....
      Peço desculpa ao autor do blog por me meter no assunto mas a arrogancia dessa pessoa me incomodou pois achar que ser tj e ser mehor que qualquer outro ser humano,esta na hora de voltar ao estudo e conhecer quem e Deus de verdade......imagino o que ele faria com maria madalena.......

      Excluir
    2. BOM DIA,RELIGIÃO É ESCOLHA,CADA UM DEFENDE AQUELA QUE GOSTA.CADA UM DIZ QUE A SUA É VERDADEIRA.
      A RELIGIÃO ERA PARA UNIR OS POVOS EMUM UNICO AMOR,E ACABA FAZENDO AO CONTRARIO.ONDE VAMOS SOMOS MANIPULADOS.POR ISSO, É BOM TER CONHECIMENTO DE VARIAS RELIGIÕES.
      NA VERDADE A PESSOA SEGUE AQUELA QUE TE FAZ FELIZ ,E A ESSA ELE DEFENDERA COMO UM GUERREIRO.

      Excluir
  4. Eu me chamo clóvis e fui TJ por mais de 25 anos,e bem recentemente passei a notar a falta de amor cristão sendo praticada na congregação por parte dos anciãos. Esta se deu na forma de persiguição,parcialidade,autoritarismo bem como o uso da Bíblia de maneira tendenciosa. Isso e muitas outras coisas me fizeram pedir minha dissociação. Por isso quando vejo alguem defendendo a TORRE fico com pena de tal criatura.

    ResponderExcluir
  5. Olá!! Pascoal, tudo bem??? vc ainda não respondeu as 03 perguntas que eu fiz a vc, já faz 03 dias e vc não respondeu nem divulgou no seu Blog. será que falta tempo??? será que esqueceu do desafio???? será que falta vontade???? ou falta argumentos??? Há vai ai uma informação que vc "ESQUECEU"(E EU SEI QUE NÃO ESQUECEU) de colocar no artigo sobre sangue no seu Blog. A RECUSA DE RECEBER TRANSFUSÃO DE SANGUE É AMPARADA PELA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA E PELOS DIREITOS HUMANOS(os mesmo que vcs usaram no caso do Sr° Sebastião) conforme ai mencionado:

    A Constituição Federal, no inciso X do artigo 5º, tutela o direito fundamental à privacidade nos seguintes termos: "São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação’.

    A privacidade é necessidade básica do ser humano, que deseja viver com sossego e tranquilidade, sem ter a sua vida íntima e privada indevidamente devassada por terceiros, nem ser sufocada por ingerências do Estado que ultrapassem imperiosas necessidades sociais.

    Em fecundo parecer, MANOEL GONÇALVES FERREIRA FILHO [17] anota que o direito à privacidade é o dos que reclamam a não-ingerência do Estado, da coletividade ou de algum indivíduo, impondo um não-fazer, estabelecendo uma fronteira em benefício do titular do direito que não pode ser violada por quem quer que seja. Agrega, com base em famoso julgado da Suprema Corte Americana, que duas são as facetas desse direito: a) evitar a divulgação de questões pessoais, e, b) independência em tomar determinada espécie de decisões importantes.

    O mesmo parecerista frisou que a doutrina e jurisprudência americana incluem no direito à privacidade as decisões relativas ao próprio corpo (vacinações, testes de sangue obrigatórios); concepção e contracepção; tratamentos médicos; e estilos de vida.

    Não é ocioso destacar que a Convenção Interamericana dos Direitos Humanos (o famoso Pacto de San José da Costa Rica), no seu artigo 11, itens 1 e 2, garante a proteção da lei contra interferências arbitrárias na vida privada, honra e dignidade do indivíduo.

    O jurista CELSO RIBEIRO BASTOS [18], em parecer, bem gizou que:

    "Quando o Estado determina a realização de transfusão de sangue – ocorrência fenomênica que não pode ser revertida – fica claro que violenta a vida privada e a intimidade das pessoas no plano da liberdade individual. Mascara-se, contudo, a intervenção indevida, com o manto da atividade terapêutica benéfica ao cidadão atingido pela decisão. Paradoxalmente, há também o recurso argumentativo aos ‘motivos humanitários’ da prática, quando na realidade mutila-se a liberdade individual de cada ser, sob múltiplos aspectos."

    Assim, também sob o prisma da proteção constitucional da intimidade e da privacidade, incabível forçar-se alguém a receber transfusão de sangue.
    Conforme bem dito pelo Desembargador Marcos Antônio Ibrahim.

    "O direito à vida não se resume ao viver...O Direito à vida diz respeito ao modo de viver, a dignidade do viver. Só mesmo a prepotência dos médicos e a insensibilidade dos juristas pode desprezar a vontade de um ser humano dirigida a seu próprio corpo. Sem considerar os aspectos morais, religiosos, psicológicos e, especialmente, filosóficos que tão grave questão encerra. A liberdade de alguém admitir, ou não, receber sangue, um tecido vivo, de outra (e desconhecida) pessoa." (trecho do voto – vencido - do Desembargador Marcos Antônio Ibrahim

    PASCOAL TENTE SE INFORMAR MAIS!!!! EU TE AJUDO VEJA O LINK:

    http://jus.uol.com.br/revista/texto/12561/transfusoes-de-sangue-contra-a-vontade-de-paciente-da-religiao-testemunhas-de-jeova

    ESPERO QUE VC DIVULGUE O QUE É REALMENTE A VERDADE SEU BLOG!!!!
    ISSO É UM DESAFIO!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Com certeza a liberdade de crença é algo constitucionalmente garantido e uma conquista que respeita a diversidade religiosa em nosso país e esse argumento é usado pelas Testemunhas de Jeová para recusarem tratamentos, ou seja, se dizem agredidas e violadas em seus direitos constitucionais. Pois bem, mas o Estado laico e a sociedade em geral sabe o que acontece se um adepto das Testemunhas de Jeová decidir receber tais tratamentos proibidos pela denominação religiosa em questão? O livro “Plocamadores do Reino de Deus” cap.13 p.183 publicado pela própria igreja se mostra bem enfático nesse sentido: “Coerente com esse entendimento da questão, a partir de 1961, quem quer que desconsiderasse esse requisito divino, aceitando transfusão de sangue, e manifestasse uma atitude impenitente seria desassociado da congregação das Testemunhas de Jeová”. Observamos então um clamor por parte dos líderes das Testemunhas de Jeová quando querem recusar tais tratamentos, porém um adepto que aceite esse tratamento é imediatamente desassociado (expulso) do meio deles. Onde fica o respeito à autonomia e a liberdade de expressão se sou ameaçado de expulsão caso aceite o tratamento? Como pode a Igreja Testemunha de Jeová querer o direito de escolher o tratamento, mas não dá o mesmo direito a seu adepto e ainda o ameaça de expulsão?

    ResponderExcluir
  7. O que significa ser desassociado (expulso) das Testemunhas de Jeová? Significa a “morte” social dessa pessoa, pois é dado um anúncio na congregação proibindo todos antigos irmãos de fé de nem sequer falar ou cumprimentar tal pessoa. As próprias publicações das Testemunhas de Jeová mostram como devem ser tratados os desassociados (expulsos): O Ministério do Reino (publicação das Testemunhas de Jeová) de 08/02/02 salienta: “Assim, evitamos também o convívio social com quem foi expulso. Isso significa que não vamos com ele a piqueniques, festas, jogos, compras, ao cinema, nem tomamos refeições com ele, quer em casa quer num restaurante...E quanto a falar com o desassociado? Um simples ‘Oi’ dito a alguém pode ser o primeiro passo para uma conversa ou mesmo para amizade. Queremos dar este primeiro passo com alguém desassociado?... Mesmo que houvesse alguns assuntos familiares que exigissem contato, este certamente ficaria reduzido ao mínimo, em harmonia com a ordem divina de cessar de ter convivência com qualquer que tenha pecado e não tenha se arrependido”. Se o que está sendo discutido é realmente a decisão individual do paciente a recusar tratamentos que violem sua crença mesmo que com isso venha a morrer, então como um paciente Testemunha de Jeová já debilitado fisicamente e psicologicamente teria condições de exercer plenamente sua decisão já que se não seguisse as diretrizes de sua Igreja seria expulso e perderia todos os laços de amizade de amigos e de alguns familiares? É uma decisão pessoal ou organizacional? Saber que vai ser expulso caso aceite o tratamento com sangue já não retira a autonomia da pessoa?

    ResponderExcluir
  8. O direito de recusar tratamento parte primariamente de uma decisão pessoal e de uma conversa com médicos e familiares. Não sei se leu minhas considerações nesse mesmo tópico, mas como fui Testemunha de Jeová e bem sei o que acontece lá dentro, não existe autonomia e sim ORDEM dos líderes sob pena de expulsar qualquer adepto que vier a querer aceitar uma transfusão de sangue. Essa expulsão é uma morte social onde amigos e familiares deixam de falar com a pessoa literalmente ocorrendo crime de discriminação religiosa e perseguição. Há quantidade de mudanças até mesmo para aceitar frações do sangue é tão grande que nenhum adepto sabe o que significa isso e apenas concorda por temer estar pecando contra Deus. Não existe autonomia do adepto Testemunha de Jeová e sim imposição organizacional fundamentalista.

    ResponderExcluir
  9. Citação:
    http://blogdoanestesista.blogspot.com/2010/03/testemunha-de-jeova-e-anestesia.html
    Existe realmente o princípio da autonomia?
    4. Existe realmente o princípio da autonomia? A autonomia do paciente existe e refere-se a decisão pessoal sobre qual tratamento ele quer optar ou rejeitar. O paciente realmente possui este direito, mas deve-se mencionar que o médico possui uma educação própria e anterior a sua formação médica que o impulsiona a tomar suas decisões na prática clínica diária e na vida, ora a decisão sobre fazer ou não sangue para um paciente que morrerá de imediato se não o receber deve ser do médico e não somente do paciente como postulam os testemunhas de Jeová, pois, na relação médico-paciente não existe somente um lado da moeda. Uma condição inerente a este paradigma é o trauma. O trauma, carro-moto-afogamento-catástrofes, com perda de sangue leva a diminuição da chegada do sangue ao cérebro e torna o paciente incapaz de tomar suas decisões naquele momento. No trauma percebemos que a perda de sangue pode ser controlada de imediato ou não. Quando controlada de imediato o sangue é dispensável, mas quando não se consegue controlar logo o vazamento de sangue para fora do vaso ai não se consegue salvar uma vida. É nestes momentos em que níveis de hemoglobina, tão defendido pelos testemunha de jeová, não contam, pois, é um padrão isolado e que não consegue mensurar com exatidão a gravidade do sangramento no trauma. Nos casos em que o paciente não esteja correndo risco algum, mas que ainda necessite da transfusão sanguínea a decisão é do paciente não cabendo discussão por parte do médico, entretanto o médico tem o direito de não continuar atendendo o paciente caso acredite que o tratamento que o paciente escolheu seguir não contribua de forma positiva para o seu bem estar. Neste caso o paciente deve ser encaminhado a outro profissional competente. O Brasil ainda não estipulou a maioridade legal que habilitaria um menor a receber a transfusão de sangue, portanto apesar de estar lúcido, consciente, orientado, psicologicamente consciente um menor, na ausência dos pais ou tutores, não pode ainda tomar a decisão final sobre receber ou não

    ResponderExcluir
  10. Enquanto a política dos líderes das Testemunhas de Jeová proibem certas frações do sangue e permitir outras, em vez de advogar a abstenção de todos os produtos derivados do sangue já mostra quão frágil é essa crença.
    Os adeptos assim nunca agem com base em integridade pessoal e princípios, as pessoas são motivadas (coagidas) unicamente por pressão dos parceiros e medo da disciplina, e evidentemente que nenhum membro de nenhum grupo ou comunidade é verdadeiramente autônomo se o grupo ou comunidade tem autoridade para disciplinar membros não-concordantes. Isso é coerção!
    É na verdade um conspícuo problema ético que uma organização religiosa controle a tomada de decisões pessoais, confidenciais e potencialmente salvadoras da vida dos membros individuais relativas a cuidados médicos, baseada em "diferenças exegéticas".
    Repito minha conclusão anterior:
    Existiria autonomia se um adepto realmente mediante informações de vários setores decidisse e não sofresse retaliações de quem quer que seja. Se o Estado proíbe seria para você um abuso, mas a própria igreja OBRIGAR os adeptos a aceitarem só aquele tratamento não é abuso!
    Bem contraditória sua posição!

    ResponderExcluir
  11. Alguns magistrados judiciais (e legisladores) entendem que o Direito à Vida está acima da Liberdade de Crença dos pacientes, no caso de iminente perigo de vida. Neste caso, as convições religiosas do paciente adulto não serão respeitadas. Mas o conceito de Liberdade de Crença não abrange apenas a Liberdade Religiosa. Engloba a liberdade do indivíduo adepto a uma determinada religião decidir se conduzir ou não – segundo as posições doutrinais pré-estabelecidas pela liderança. Nesta questão, há que verificar sempre se é de fato decisão de consciência ou imposição coerciva - direta ou indireta. Por exemplo, em 1987, suas publicações chegaram a encorajar hipoteticamente funcionários hospitalares que sejam Testemunhas a quebrarem a confidencialidade médica [ quebra do Segredo Profissional ] em nome do zelo religioso. (A Sentinela de 1/9/1987, pág. 12 - "Tempo para falar - quando?")

    ResponderExcluir
  12. Vamos desenhar juridicamente para o senhor:

    Testemunha de Jeová e transfusão de sangue
    Bibliografia temática
    MOTA, Sílvia . Testemunhas de Jeová e as transfusões de sangue: tradução ético-jurídica.
    In: GUERRA, Arthur Magno Silva e (Coord.). (Org.). Biodireito e bioética: uma introdução crítica. Rio de Janeiro, 2005. p. 347-379.

    [...] Não cabe ao Poder Judiciário, no sistema jurídico brasileiro, autorizar altas hospitalares e autorizar ou ordenar tratamentos médico-cirúrgicos e/ou hospitalares, salvo casos excepcionalíssimos e salvo quando envolvidos os interesses de menores. Se iminente o perigo de vida, é direito e dever do médico empregar todos os tratamentos, inclusive cirúrgicos, para salvar o paciente, mesmo contra a vontade deste, de seus familiares e de quem quer que seja, ainda que a oposição seja ditada por motivos religiosos. Importa ao médico e ao hospital é demonstrar que utilizaram a ciência e a técnica apoiadas em séria literatura médica, mesmo que haja divergências quanto ao melhor tratamento. O Judiciário não serve para diminuir os riscos da profissão médica ou da atividade hospitalar. Se a transfusão de sangue for tida como imprescindível, conforme sólida literatura médico-científica (não importando naturais divergências), deve ser concretizada, se para salvar a vida do paciente, mesmo contra a vontade das Testemunhas de Jeová, mas desde que haja urgência e perigo iminente de vida (art. 146, parágrafo 3º, inc. I, do CP). Caso concreto em que não se verificava tal urgência. O direito à vida antecede o direito à liberdade, aqui incluído a liberdade de religião; é falácia argumentar com os que morrem pela liberdade, pois ai se trata de contexto fático totalmente diverso. Não consta que morto possa ser livre ou lutar por sua liberdade. Há princípios gerais de ética e de direito, que aliás norteiam a Carta das Nações Unidas, que se precisam sobrepor às especificidades culturais e religiosas; sob pena de se homologarem as maiores brutalidades.

    ResponderExcluir
  13. Cabe ao Estado antes de decidir sobre a forma de tratamento fazer toda a necessária pesquisa e consulta!

    A AUTONOMIA não existe se o Estado impor de forma irresponsável um tratamento que vá agredir ou ir contra uma decisão PESSOAL. Todos tem direito a tratamentos alternativos e o Estado tem o dever de propiciar isso em seus estabelecimentos médicos. Caso o Estado não tenha esses tratamentos ou puna a pessoa por não fazer o que ele queria isso é inconstitucional!

    Da mesma forma não existe AUTONOMIA num paciente testemunha de jeová que é ameaçado e coagido a fazer aquele tratamento que a igreja considera como o correto! A AUTONOMIA deixa de existir e aí existe perseguição a adeptos que optaram por outro tratamento.

    O senhor fala de escolhas e como pode escolher uma pessoa que já nasceu nessa religião e que não pode contrariar por ameaça de morte social. Não se apercebeu que a expulsão do membro não é algo simples e sem repercussão. Ao contrário é discriminatório e abusivo. Familiares e amigos são OBRIGADOS a não mais falar com a pessoa, sim falar ou cumprimentar, pois acontecendo tal fato também será expulsa!
    AUTONOMIA???

    O debate é responsabilidade de todos os agente sociais e imposições de leis sem o menor conhecimento de causa (como o senhor demonstra) apenas servem para aumentar a desinformação e a irresponsabilidade perante vidas.

    ResponderExcluir
  14. Não está sendo proposto aqui que uma Testemunha de Jeová não possa ter uma forma alternativa de tratamento, pois isso qualquer cidadão tem o direito constitucional, mas está se questionando como é feito esse pedido e de que forma chega o paciente Testemunha de Jeová no hospital.

    Exemplos nessa questão:
    1- Uma Testemunha de Jeová vai ter que fazer uma cirurgia e aí em comum acordo com seu médico quer fazer sem o sangue e com isso assume o risco de morte. A responsabilidade é assumida por ela.

    2- Uma Testemunha de Jeová vai ter que fazer uma cirurgia e é pressionada por seus líderes pastores (ancião para as TJs) a não fazer a tranfusão de sangue (mesmo ela desejando), mas com a AMEAÇA de expulsão da religião que pode levar a que amigos e familiares não dirijam sequer um “Oi” e com isso ela fique refém disso sem poder procurar ajuda e sem o Estado intervir nesse abuso porque não ouviu as partes já citadas por mim anteriormente já é um outro caso.

    3- Uma Testemunha de Jeová chega num hospital vítima de algum acidente onde não existe uma alternativa além da transfusão...o Estado autoriza então a morte da pessoa? O médico que seria a pessoa que deveria decidir fica vendo a pessoa morrer porque os parentes TJs estão dizendo que é direito da Testemunha de Jeová morrer?
    Exemplos e mais exemplos específicos (que acompanho de perto há mais de 15 anos) estão vitimando centenas de pessoas (desde crianças a idosos) e não é possível que teorias que a pessoa decreta num gabinete e não tem a responsabilidade de pesquisar seja assistida de longe como algo simples a se decidir.

    ResponderExcluir
  15. Leonardo respondendo ao seu segundo post onde você coloca que a Associação Torre de Vigia não classifica o pecado e sim a Bíblia. Será? Onde tem na Bíblia a proibição de usar barba? Onde tem na Bíblia a obrigação de fazer relatórios e prestar contas das horas pregadas igual numa empresa? Onde está na Bíblia a data de 1914 como volta de Cristo? Onde está na Bíblia a data 607 AC deturpada pela Torre de Vigia e em contradição com todos os historiadores? Onde tem na Bíblia a proibição e depois liberação dos transplantes de órgãos que matou várias TJs? Onde está na Bíblia a proibição e depois liberação de frações de sangue? Gostaria das respostas!

    Sobre ser informado de como eram tratados os casos de desassociação ou dissociação e na discriminação que ex adeptos são submetidos, obviamente a Torre de Vigia não informa caro Leonardo. Me mostre alguma publicação para estudantes, ressalto, para estudantes em que vai mostrar isso em detalhes? Claro que não vão querer espantar as futuras “ovelhinhas”.

    ResponderExcluir
  16. O hipócrita do leonardo fica neste achismo não conseque mostrar as mentira deste Blog, porque a TV (torre vigaris...)feis uma lavagem no miolinho dele e tem a petulançia de perguntar quem e o meu amado irmão pascoal. acorda leonzinho contra os fato não a argumentos!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  17. Leonardo chorou dizendo que faziam 3 dias que não tinha respondido as suas perguntas, mas cabe perguntar agora: já fazem quantos dias que respondi e você se calou? rs

    ResponderExcluir
  18. Olá Pascoal, Percebi que você tem uma visão bem errada sobre as testemunhas de Jeová. Você deu uma burrada nesta postagem, pois você entrou em contradição. Você não analisou direito o texto de atos 15:28 que diz:“Pois, pareceu bem ao espírito santo e a nós mesmos não vos acrescentar nenhum fardo adicional, exceto as seguintes coisas necessárias: de persistirdes em abster-vos de coisas sacrificadas a ídolos, e de sangue, e de coisas estranguladas, e de fornicação. Se vos guardardes cuidadosamente destas coisas prosperareis." Neste texto Tiago disse que 'pareceu bem ao ESPÍRITO SANTO e aos apóstolos', em vez de dizer que 'pareceu bem aos APÓSTOLOS'(que apoiaria a sua teoria).
    Como sabemos, os cristãos do primeiro século E.C eram guiados pelo Espírito santo, a força ativa de Deus, para guiar a congregação. Se o Espírito santo mostrou aos apóstolos que os cristãos deviam abster-se de sangue, significa que Deus usou a sua força ativa(o Espírito santo) para mostrar a nova luz, desse modo não foram os apóstolos que deram sua idéias sobre este assunto e sim Deus.
    Sem falar que a transfusão de sangue pode ser um grande transmissor de doenças como a AIDS e várias outras transmissíveis.
    Desse modo mostra-se que a transfusão de Sangue não é certa pela tanto biblicamente como também cientificamente, e cada vez mais pessoas vem aceitando o método das testemunhas de Jeová(inclusive o papa João Paulo 2). E caso alguma pessoa morra por não aceitar uma transfusão de sangue pode acreditar na promessa que Jesus cristo fez em joão 5:28,29 de que "os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz e Sairão".

    ResponderExcluir
  19. Sr. Jardel Filho e Sr Leonardo, porque vocês só conseguem citar atos 15:28 e 29, e não conseguem enxergar o contexto, ou o obvio?

    Porque vocês não comentam sobre o texto de Atos 15:19e20 “Por isso, MINHA DECISÃO é não afligir a esses das nações, que se voltam para Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das coisas poluídas por ídolos, e da fornicação, e do estrangulado, e do sangue.”?

    Neste texto Tiago disse CLARAMENTE que a decisão era dele, concorda ou não?

    E quanto a Atos 21: 25: “Quanto aos crentes dentre as nações, já avisamos, DANDO A NOSSA DECISÃO, de que se guardem do que é sacrificado a ídolos, bem como do sangue e do estrangulado, e da fornicação.”

    Porque algum tempo depois, novamente Tiago afirma que a decisão foi deles, e não de Jeová?

    Eu escrevi este artigo com o objetivo de se analisar Atos 15: 19e20 e Atos 21:25, e tb as circunstancias da época.

    O que levou os apóstolos a sugerir aos cristãos gentios que seguissem alguns aspectos da lei moisaica? Não foi para apaziguar as diferenças entre os os cristãos judeus e os gentios cristãos?

    Esclareça minhas perguntas, mas antes leia com atenção todo o capitulo 15 e 21 de Atos, leia apenas a bíblia e não os pensamentos míopes do CG.

    Espero que tragam argumentos novos, e não a mesma ladainha de sempre.

    ResponderExcluir
  20. Note que foi Tiago quem disse que "pareceu bem ao espirito santo" mais quem garante que o espirito santo estava mesmo envolvido nessa reunião?

    ResponderExcluir

Esse espaço é para um diálogo construtivo...agressões, palavrões ou mesmo ataques pessoais vão ser solenemente excluídos. Comentários que tem uma base de raciocínio e um desejo sincero para aprofundar sobre os temas citados serão muito bem recebidos e publicados. Seria interessante (não obrigatório)ao postar o usuário se identificar!