domingo, 29 de dezembro de 2013

RECÉM-NASCIDO MORRE APÓS AVÓ RECUSAR TRANSFUSÃO DE SANGUE


Um bebê recém-nascido morreu no setor de Neonatal do Hospital Geral de Fortaleza(HGF) após a avó recusar que fosse realizada uma transfusão de sangue que poderia salvar a criança. Segundo Antônia Lima, promotora de Justiça de Defesa da Infância e Juventude do Ministério Público Estadual (MPE), a avó da criança, que seria Testemunha de Jeová, não autorizou a transfusão porque o procedimento médico vai de encontro à sua religião.
Assistentes sociais do HGF entraram em contato com o MPE pedindo intervenção no caso, entretanto, não houve tempo hábil para autorizar a transfusão de sangue. FOTO: José Leomar/Arquivo
A mãe, por ser uma adolescente de 15 anos, não poderia responder pela criança e tentava desde sexta-feira (20) convencer a avó a necessidade da transfusão de sangue, segundo informou a promotora Antônia Lima. Ainda de acordo com o MPE, a informação do óbito foi repassada à promotora às 11h desta segunda-feira (23). As causas que levaram o bebê ao HGF e data de entrada no hospítal ainda não foram divulgadas. 
Nenhuma informação sobre o caso foi dada à Redação Web do Diário do Nordeste pelo HGF. Segundo o hospital, "devido a delicadeza do caso, qualquer informação sobre o estado de saúde dos pacientes, atendidos no HGF, apenas só podem ser repassadas com autorização prévia da família", ressaltando que "neste caso, especificamente, os parentes não autorizaram qualquer divulgação".
A promotora afirma que vai recomendar à Justiça que a avó da criança responda criminalmentepelo caso. "Nós entendemos que a avó, ao não permitir que a criança tomasse sangue assumiu o risco pela morte da criança, então já é um [homicídio] doloso", argumenta Antônia Lima. 
A negativa à transfusão, segundo Lima, teria se dado porque a avó da criança seria Testemunha de Jeová. O representante do grupo cristão no Ceará, Ricardo Kataoka, garantiu que nem a avó nem a mãe do bebê são Testemunhas de Jeová. “Acredito que elas leram a Bíblia e tiraram, elas mesmas, essa conclusão”, afirma. Kataoka informou que, de fato, há a posição de não aceitar o procedimento, mas que existem alternativas, além do que há a defesa de valorização da vida. “Jamais queremos que chegue a um óbito”, explica o representante.
Helvecio Neves Feitosa, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremec) comenta que essa é uma situação extremamente delicada. Mas, explica que existe uma resolução doConselho Federal de Medicina (CFM) que estabelece que, no caso de haver risco iminente de morte, o médico pode, mesmo contrariando a vontade da família e do próprio paciente, fazer a transfusão de sangue, pois “a vida é um bem indisponível”.
“O médico fica nessa encruzilhada. Por isso, ele apela para as decisões judiciais”, explica o vice-presidente do Cremec.
Com informações da repórter Luana Lima

18 comentários:

  1. Mais uma morte inocente pela política assassina do sangue seguida pelas Testemunhas de Jeová.

    ResponderExcluir
  2. A culpa pela morte da criança, Já deixa de ser do avô da mesma e sim do M P E, Já que ordem para uma série de coisa são espedidas. Por outro lado o avô da criança não pode ser parte legitima para tal interdição, Aonde está o Estatuto da criança e do Adolescentes, Só serve para dar direito a eles para praticar Roubos Furtos e, Assassinatos e não ser presos?, Não pode ser usado como base para salvar uma vida? Neste episódio a justiça foi omiça ao meu entender.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ignorancia e falta de informacao.

      1° qlqer um pode dizer "sou testemunha de Jeova" "sou catolico, budista,etc..." e cometer atrocidades...e a religiao eh culpada?

      Excluir
    2. Ja num eh nem biblico, eh cientifico...alem do q as Testemunhas de Jeova possuem medicos conveniados q realizam milhares de cirurgia sem sangue... Se essa senhora eh msm TJ deveria saber disso...

      Excluir
    3. O anônimo que postou as 14:38 cometeu um ato falho ao tentar defender essa doutrina assassina do sangue. Realmente é uma atrocidade o que essa avó fez com sua neta. Outra coisa, essa avó pode até não ser uma Testemunha de Jeová, mas com certeza usou de publicações e orientações das mesmas para chegar a tal conclusão sobre a recusa do sangue, pois somente as Testemunhas de Jeová agem dessa ignorante forma.

      Excluir
    4. O segundo anônimo (incentivo que saiam do anonimato) diz que existe rede conveniada? Quero ver uma Testemunha de Jeová humilde e sem plano de saúde ou mesmo uma TJ hemofílica escapar da morte. Isso é dourar a pílula e fugir de uma realidade cruel.

      Excluir
    5. Pascoal Naib: Na mosca.

      Excluir
  3. Leiam esse depoimento de uma Ex-Testemunhas de Jeová que foi salva por uma ordem judicial para sobreviver e ter direito a uma transfusão de sangue.
    http://extestemunhasdejeova.blogspot.com.br/2014/01/eu-fui-testemunha-de-jeova-tive.html

    ResponderExcluir
  4. Prezado Pascoal Naib.
    transfusão de sangue e seus em outras nações cuja a liberdade de expressão e religiosa é mais aceita, são sombras da arcaica maneira de pensar cuja a ideologia remonta a época do obscurantismo ou até mesmo do judaísmo farisaico que se negou em aceitar a progressão impressa em seus papiros bíblicos que davam sinais claros, sobre a vinda do messias, e mesmo em face de provas concretas acabaram por matar o seu infortuno e garantir assim o seu lugar de destaque em meio ao povo judeu.
    sangue pode salvar uma vida, mas também pode matar, por que então não se fala em quantas vidas foram tiradas por falta de conhecimento a respeito do sangue hepatites, doenças retrovirais entre outras...
    por que não cobram do governo as coisas essenciais tais como: cola de fibrina,recuperação de hemácias por filtro extra-corpóreo, existem vacinas de eritro poetina que aumentam a quantidade de glóbulos vermelhos em pacientes antes e depois de passarem por uma sala de SRPA...
    MAS para o nosso governo é mais vantagem ganhar ou ter a disposição pessoas que se dispõem em coloca-los em seus postos de autoridade e manter a ignorância do povo por não mostrar-lhes as alternativas existentes que lhes custaria um certo valor, do que dar lhes a oportunidade de ter uma segurança maior em um tratamento que a custo de uma educação e valores de opiniões sensacionalistas custarão um tempo indeterminado para alcançar as pessoas que realmente merecem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Izaias Nascimento não tente justificar um erro com outro. As Testemunhas de Jeová e mais especificamente a Torre de Vigia brincam de Deus e num passado recente proibiram vacinas e transplantes e são culpadas de sangue por esses inocentes que acreditavam estar seguindo regras sagradas e que morreram por diretrizes irresponsáveis. O Estado deve ser cobrado sempre para todo tipo de tratamento alternativo, aliás a ciência tende a sempre evoluir, ao contrário de dogmas fundamentalistas como os das Testemunhas de Jeová. Uma Testemunha de Jeová que ter o direito de recusar sangue, mas não dá o direito de um adepto aceitar transfusão sob pena de expulsão e morte social. Que direito é esse que só pende para um lado?

      Excluir
    2. Pascoal envio lhe minhas estimas

      Concordo que a liberdade de escolha seja posta como um dom dado por Deus, e que essa escolha nunca passe a ser indeferida por trauma, pesar, medo ou peso de consciência.
      A ciência ira correr como o tempo sempre em frente, e isso ajuda pessoas de classes sociais em meio a uma injusta distribuição de renda a ter uma boa acolhida em relação a saúde. Mas o fato é que sangue não é garantia de vida, e não estou somente falando em relação as testemunhas de Jeová, o que não se pode esta fazendo é colocar o sangue como cura milagrosa retirando da morte alguém que corre um risco eminente, isso seria o mesmo que transfundir sangue em alguém desidratado, e já pude ter o desprazer de prestigiar pessoas de formação superior em ciências da saúde em querer fazer isso.
      Por isso digo que apesar de ter contato com as testemunhas de Jeová , budistas, induístas e etc, não se pode de inicio fazer um julgamento movido pelo o que a pessoa crê.
      E se é um erro mudar o que esta encrustado na cabeça das pessoas em tranformar sua forma de clinicar, obter fundamentos e condutas condizentes ao que realmente é, tenho certeza que muitas mortes seriam evitadas por profissionais que não são adeptos e não compartilham da sua maneira de pensar. (aliás a ciência tende a sempre evoluir,)
      E com respeito a vacinas e transplantes acho que deve estar havendo algum equivoco, pois elas (testemunhas de Jeová) cumprem o cronograma estipulado em prazos específicos em suas carteiras de vacina e conheço anciãos que são doadores de órgãos e córneas, e muitas se não todas tomam vacina antiofídica.
      Ressalto a liberdade de escolha, e que nos inteiremos mais em dispor de respostas e que venhamos a justificar sim um erro não o cometendo de novo.

      Excluir
    3. izaiasld@gmail.com11 de abril de 2014 10:24

      enviei-lhe algumas respostas das quais pude observar que: são aprovadas previamente, mas até agora não consegui visualiza-las, espero que não se use de critérios unilaterais que venham a favorecer somente o dono da razão, ou pese na balança a forma correta de dialogo aberto livre de fascismo.

      Excluir
    4. Izaias Nascimento cita:
      "Concordo que a liberdade de escolha seja posta como um dom dado por Deus, e que essa escolha nunca passe a ser indeferida por trauma, pesar, medo ou peso de consciência".

      Pascoal comenta:
      Estou citando esse parágrafo acima porque ele é primordial para a dignidade do ser humano e seu direito universal de escolha. A questão de receber sangue ou recusar sangue acaba sendo consequência dessa primeira situação.
      Volto a pergunta feita num comentário anterior: como alguém quer ter o direito de se abster do sangue ou mesmo usar tratamento alternativo se não dá esse mesmo direito de escolha para seu adepto? Do que adianta usar a lei como garantia da minha liberdade de não tomar sangue se ameaço expulsar um adepto se resolver tomar? O pior é que expulso e ainda discrimino tal ex-adepto com uma morte social baseada na desassociação. Isso merece uma reflexão.

      Excluir
    5. Izaias Nascimento cita:
      "Mas o fato é que sangue não é garantia de vida..."

      Pascoal comenta:
      Sobre essa questão específica vou citar aqui trechos de uma opinião especializada com o referido link. Dê uma olhada.

      TRECHO DE UM ESPECIALISTA - LINK ABAIXO
      1. Qual a fundamentação utilizada pelos testemunhas de Jeová para justificar suas atitudes em relação a transfusão de sangue e hemoderivados? A crença contra a transfusao de sangue dos pacientes testemunhas de Jeová não é derivada do medo da aquisição de doenças, mas devido a crenças religiosas mesmo na vigência do risco de morte iminente. Não aceitam células vermelhas, células brancas, plaquetas e o plasma. Nem mesmo o sangue do próprio paciente pode retornar para ele. É bom lembrar que esses pacientes não se recusam a receber outras formas de tratamento, porém é necessário que os colegas possuam conhecimento aprofundado sobre o tema assim como condições médicas para executá-los. A grande pergunta é: o que fazer quando se está sem condições de executar a prática da restrição da transfusão sanguínea?

      2. Quais os pontos que podem ser justificados pela ciência para evitar a transfusão? A transfusão de sangue possui um risco para transmissão de algumas doenças: doença de chagas, sífilis, AIDS, citomegalovírus e as hepatites virais. A maior causa de mortalidade relacionada a transfusão hoje é a TRALI, do inglês, Transfusion Related Acute Lung Injury ou lesão pulmonar aguda relacionada a transfusão. É um quadro que ocorre logo nas primeiras seis horas durante ou após a transfusão possuindo incidência menor que 1% e com comprometimento pulmonar severo que prejudica a respiração do paciente. Quando o tratamento é bem conduzido desapareçe sem deixar sequelas.

      3. Quais os pontos que justificam a transfusão sanguínea? O sistema circulatório pode ser visualizado como um trem: o coração é a máquina que pucha tudo, o trilho são os vasos e os passageiros são as hemácias que carregam como bagagem o oxigênio. Os passageiros possuem destino certo que são as estações do trem, ou seja, os órgãos que receberão oxigênio. Quando falta hemácia na realizada falta quem transporte oxigênio aos órgãos e o coração tem de trabalhar mais para poder manter o paciente em equilíbrio interno, mas o coração possui seu limite que quando é ultrapassado acaba perdendo a função. Neste momento os órgãos começam a sofrer principalmente o coração e o cérebro que acabam morrendo. O organismo precisa de oxigênio, portanto o organismo precisa das hemácias para manter o seu equilíbrio.
      http://extestemunhasdejeova.net/forum/viewtopic.php?f=14&t=4718

      Excluir
    6. Izaias Nascimento cita:
      "E com respeito a vacinas e transplantes acho que deve estar havendo algum equivoco, pois elas (testemunhas de Jeová) cumprem o cronograma estipulado em prazos específicos em suas carteiras de vacina e conheço anciãos que são doadores de órgãos e córneas, e muitas se não todas tomam vacina antiofídica".

      Pascoal responde:
      Por que eu insisto em dizer que as doutrinas das Testemunhas de Jeová são irresponsáveis e assassinas? Porque podem mudar quando for conveniente. Se você pesquisar desde o início sobre a proibição do sangue, vai notar que com o decorrer das décadas várias "exceções" foram acrescentadas, ou seja, vítimas fatais no passado não foram beneficiadas por essas "Novas Luzes". Eu entendo perfeitamente seu desconhecimento sobre essas proibições de vacinas e transplantes, pois foram modificadas. Leia o texto abaixo:

      TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS E TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
      http://extestemunhasdejeova.blogspot.com.br/2007/03/transplantes-de-rgos-e-testemunhas-de.html

      Excluir
  5. Eu admiro o que ela fez e a crença dela, afinal ela fez o que a consciência pediu.
    Igual Abraao que iria mata seu filho por Jeova. Não foi obrigado mais sim por consciência e admirável isso. Final ninguém pode contradizer o que ela fez foi uma opinião dela, uma coisa que ela acredita ou irão questionar a atitude dela?
    No meu caso eu também não iria doar, eu poderia procura outros meios de sobrevivência mais não doaria. Acredito que os mortos estão em um lugar melhor que esse mundo terrível governado por Satanás.

    ResponderExcluir
  6. Na congregação ao qual fiz parte conheci um servo ministerial que tirando racha com seu carro depois de beber sofreu um acidente que gerou vitimas fatais...ele ficou internado precisando de sangue...resultado:como não aceitam transfusão de sangue:morreu.depois fiquei pensando o que é mais grave morrer alcoolizado ou receber uma transfusão de sangue.

    ResponderExcluir

Esse espaço é para um diálogo construtivo...agressões, palavrões ou mesmo ataques pessoais vão ser solenemente excluídos. Comentários que tem uma base de raciocínio e um desejo sincero para aprofundar sobre os temas citados serão muito bem recebidos e publicados. Seria interessante (não obrigatório)ao postar o usuário se identificar!