sábado, 23 de janeiro de 2016

O FILME SPOTLIGHT E AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ - POR QUE AS IGREJAS ENCOBREM CASOS DE PEDOFILIA?


Para quem pensa que o filme “Spotlight: Segredos Revelados” se concentra no clichê de focar a dor das vítimas ou de “demonizar” a igreja Católica pelos abusos cometidos por seus sacerdotes, isso não acontece. Na realidade ele vai além e faz uma provocação para toda a sociedade: por que demoraram tanto para perceber?

Esse aspecto do filme dissolve o maniqueísmo latente. Denúncias contra padres e bispos haviam sido recebidas antes pelo "Globe" e registradas em notas despercebidas, quando não sumiram no buraco negro que existe em toda Redação, feito de falta de tempo, recursos, paciência e incentivo para quebrar o hábito. 

Recentemente outro grupo religioso está sendo denunciado por acobertar casos de abusos sexuais a crianças dentro das suas congregações: as Testemunhas de Jeová. O filme, voltado para a denúncia da omissão das lideranças da Igreja Católica, se aplica perfeitamente as Testemunhas de Jeová que já foram condenadas nos EUA, são investigadas em alguns países europeus e mais recentemente estão sendo julgadas na Austrália (Ver links no final do texto). 

Algo recorrente após surgir uma acusação tão séria é que existe uma grande confusão por parte dos adeptos, que na ânsia de defenderem sua religião, colocam os seguintes pontos como mais relevantes que a própria vítima:

1- A igreja se baseia na Bíblia e nunca iria “ensinar” ou permitir tal tipo de comportamento doentio e nocivo dentro de suas congregações.

2- Que são casos isolados, feitos por pessoas específicas e que serão repreendidas ou até mesmo expulsas, ou seja, quem está errando são pessoas imperfeitas e não a igreja que é perfeita.

Esse comportamento de “defesa” é perfeitamente compreensível, pois realmente a maioria dos fiéis não tem e nunca vai ter acesso aos bastidores burocráticos de sua igreja. Percebi isso quando fui assistir ao filme com minha namorada, que é católica. Uma das principais características dela é pautar sua vida em atitudes questionadoras e éticas, porém foi interessante notar uma reação instintiva e “defensiva” para com sua Igreja. Para ela o filme foi muito bom, mas “pesado” no sentido de mostrar uma realidade nua e crua, as entranhas de um “sagrado” que ela não tinha acesso e que balançava sua visão da igreja “perfeita”. Houve uma tentativa tímida, da parte dela, de citar o ponto 2 sobre as pessoas serem imperfeitas e a igreja perfeita.

Na realidade esse raciocínio aparentemente “inocente” acaba que mascarando a realidade, desrespeitando as vítimas e centrando todo o status de ÚNICO culpado na pessoa isolada que é o abusador. Isso precisa ser desconstruído. Na realidade, assim como na Igreja Católica, os casos de pedofilia praticados por Anciãos (equivalentes a pastores) dentro das congregações das Testemunhas de Jeová tem o mesmo enredo: os casos são deliberadamente abafados pelos superiores hierárquicos para que exista um acordo entre a família da vítima, violador e a igreja. Muitos adeptos não acreditam nisso e podem até dizer que estou inventando absurdos, mas observem o que é colocado oficialmente pelas Testemunhas de Jeová em suas publicações. Ocorrendo um caso de abuso sexual contra uma criança e a família decidir denunciar o caso as autoridades competentes, o que orienta as Testemunhas de Jeová? A revista A Sentinela 01/11/1995 pp. 28-29 diz:

E se a pessoa decidir fazer uma acusação formal? Nesse caso, os dois anciãos poderão lembrar-lhe que, em harmonia com o princípio em Mateus 18:15, ela deverá conversar pessoalmente com o acusado sobre o assunto. Se não estiver em condições emocionais de confrontar o acusado, poderá telefonar-lhe ou enviar-lhe uma carta. Assim ele tem a oportunidade de defender-se da acusação, perante Jeová. E pode até apresentar evidências de que é impossível que tenha cometido o abuso de que é acusado. Ou talvez confesse o erro e possa haver uma reconciliação, o que seria muito positivo! Se ele confessar a culpa, os dois anciãos poderão tratar do assunto em conformidade com os princípios bíblicos.

Percebam que não existe a intenção que essa denúncia saia dos muros da igreja. A intenção é fazer um "acordo" silenciando as vítimas e que o caso será resolvido ali na própria igreja. É colocado todo um peso na ideia de que o nome de Jeová e de sua organização perfeita (Torre de Vigia) vai ser manchado perante o mundo e que a justiça divina é mais importante que a justiça dos homens. Um completo caso de OMISSÃO e DESRESPEITO as vítimas. Mas, infelizmente não para por aqui. O que é necessário para a vítima conseguir que os Anciãos (equivalente a pastor) aceitem a denúncia de abuso sexual? A Revista A Sentinela continua:

Se o acusado negar a culpa, os anciãos deverão explicar a quem fez a acusação que nada mais poderá ser feito em termos judicativos. E a congregação continuará a considerar o acusado como inocente. A Bíblia diz que é preciso haver duas ou três testemunhas para que alguma ação judicativa seja tomada. (2 Coríntios 13:1; 1 Timóteo 5:19) Mesmo que mais de uma pessoa se “lembre” de ter sido abusada sexualmente pelo mesmo indivíduo, a natureza dessas lembranças, se não há outras evidências, é incerta demais para servir de base para decisões judicativas. Isso não significa que essas “recordações” sejam encaradas como falsas (ou como verdadeiras). Simplesmente os princípios bíblicos precisam ser acatados ao se resolver um assunto judicativamente.

Pode aparecer mais de uma vítima dizendo que foi molestada por uma pessoa dentro da igreja das Testemunhas de Jeová que eles não incentivarão a denunciar as autoridades competentes. Também não aceitarão a denúncia interna, pois necessitariam ter duas testemunhas (como se o abusador fizesse isso para uma platéia) para que o caso desse andamento dentro da burocracia da igreja. E o que resta para as crianças molestadas e as famílias dilaceradas e destruídas emocionalmente? As liderança das Testemunhas de Jeová informam hipocritamente na mesma revista citada acima:

E se o acusado — embora negue a transgressão — for realmente culpado? Será que ele vai “se livrar dessa”? De jeito nenhum! A questão de ele ser ou não culpado pode ficar, com toda a segurança, nas mãos de Jeová.

Ou seja, NUNCA um abusador dentro da denominação religiosa das Testemunhas de Jeová vai ser realmente denunciado. Some-se isso a dificuldade das vítimas de provarem para os Anciãos (equivalente a Pastor) que tal fato ocorreu realmente e ao constrangimento de ver sua denúncia cair no vazio. Estão abandonadas pelo simples fato que sua liderança visa mais a proteção da imagem da igreja perante a sociedade do que agir em nome das vítimas. 


Artigos relacionados:

13 comentários:

  1. Terrível isso, meu Deus!

    ResponderExcluir
  2. Não é só nessa religião que existe casos de pedofilia do jeito que esta a criançada vai ter que ir para igreja com cinto de castidade

    ResponderExcluir
  3. Já há muitos anos que eles na torre de vigia sabem dos casos de pedofilia dentro nas congregações, senao, vejam a edição de julho 2015 da tv das TJ onde o apresentador menciona uma edição especial da despertai de 1992 acerca de proteger as criancas de abusadores sexuais, com um ar muito orgulhoso quase como se tivessem sido os primeiros a alertar para tal problema, ja desde os anos 90 ou até antes eles sabiam mas só nessa edição de julho da tv é que finalmente decidiram permitir que se avise as autoridades aí ja dizem que sim que se faça denuncia, mas foi preciso sentirem os calos apertados.eu fui tj varias décadas e sei bem que é tudo abafado eu sou mulher mas tenho um parente chegado que foi pioneiro e SM e sei muito pelo que ele me contou

    ResponderExcluir
  4. Quando era menor e fui vítima de molestação sexual aqui no Brasil por parte de um ancião que fazia discursos em congressos, assembleias, salões e participava do pão e do vinho nos memoriais, na época ouvi dizer que ele molestou outros jovens, após a comissão judicativa fiquei sabendo que o mesmo perdeu os chamados "privilégios" mas podia entrar e sair livremente dos salões contribuindo financeiramente se possível, podia ter sua vida solta no meio da sociedade, livre pelas ruas...após uns 15 anos vi andando pela rua livre sem prestar conta por nada...o que ouvi dos outros molestados não sei se é verdade, mas como testemunha do fato do que aconteceu comigo isso nunca ninguém vai conseguir apagar. Tudo que eu vejo neste site falando sobre os casos de pedofilia nas congregações é exatamente o que presenciei me lembrando de cada pormenor. Tenho sinceramente esperança de que as autoridades Brasileiras possam investigar estes atos criminosos e fazer cumprir a LEI do País. No meu caso já se passaram mais de 20 anos mas acredito ser preocupante as várias crianças indefesas hoje que estão expostas a conduta de criminosos digo tanto os autores como os encobertadores. Pelo Amor de Deus pessoal ponha a mão na consciência. Pra que existe a denúncia anônima? Hoje minha mãe presente naquela comissão que presenciou meu depoimento já não vive, mas vocês vivem denunciem nem que seja anônimo não dá pra deixar pessoas assim soltas no meio da sociedade...não vou escrever mais...Adeus

    ResponderExcluir
  5. Patrese Pqrpiquetrerap Amaral27 de janeiro de 2016 08:03

    eles pegaram o modus operandi da igreja catolica e adaptaram a seu modo... o filme pelo jeito so é voltado mais p a religiao catolica pq em numeros, os catolicos sao maioria em relacao aos tjs, nao?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Patrese Pqrpiquetrerap Amaral é exatamente isso. O filme mostra o início dessas denúncias de forma mais contundente e com relação a Igreja Católica, porém como você citou muito bem o modus operandi de "acobertamento" dos abusos é repetido por outras igrejas. Nesse caso que foquei são da denominação religiosa das Testemunhas de Jeová que pertenci.

      Excluir
  6. Absurdo qualquer religiao achar que esta acima da lei qdo se trata de abuso sexual. Principalmente de criancas. Que sao impotente para se defender. Abuso sexual e crime e deveria ser considerado assim indepentende da religiao. E quem omite tal fato deveria ser punido como alguem que cometeu tal crime.

    ResponderExcluir
  7. olá ..gostaria muito que vc colocasse em seu blog se possível a foto dessa sentinela citada acima .. pois se trata de uma prova concreta ..para aquelas pessoas que não acreditam no que vc está falando ..eu tenho tido muitas brigas com meu marido..pois ele é testemunha de jeova e não acredita em nada que falem ao contrario dela

    ResponderExcluir
  8. eu tb ja fui TJ e sofri uma tentativa de abuso de um membro quando tinha uns 10 anos de idade mas consgui fugir infelizmente um dos meus irmaos nao conseguiu fugir dele.

    ResponderExcluir
  9. Alem de casos de pedofilia agora a torre é torre da sacanagem, eles tem uma musa em suas imagens nas revistas e livroa desde 1982 até 2012, a musa é PASCALE PETIT. Fazendo pesquisa é facil descobrir que é atriz porno da década de 60. AGORA É A VEZ DA TORRE DA SACANAGEM.

    ResponderExcluir
  10. A torre de vigia que uma pessoa que seja selosa que trabalhe umas 40 horas por semana na organização e de graça, pois tá trabalhando pra Jeova, e nas horas de golga essa pessoa pode ser um pedofilo e ninguém vai conseguir provar nada contra ele e se provar alguma coisa vai ficar dentro da organização e ele pode simplesmente ser afastado de suas atividades por alguns meses, depois volta a ser seloza novamente. Mas ai de um test de jeova honesto que segue a Bíblia e interoga os ensinamentos da organização esse sim vai ser dissociado e perder contato com todos amigos filhos esposa pai mãe parentes e ter que encarar o isolamento social. É o livre arbítrio deles ou aceita os ensinos ou vai curtir o isolamento social e muitos com isso cometeram suicídio. Fariseus hipocritas e o seu fim é o lago de fogo.

    ResponderExcluir
  11. Eu gostaria de saber de onde tirou as respostas da torre sobre em caso de abuso sexual o que fazer? Tem em algum livro tj ou no site se tiver, poderia com emergência me mandar
    Se puder vai ser um prazer conversar tenho historias também..
    Meu email caso chame sua atenção david.123321@hotmail.com

    ResponderExcluir

Esse espaço é para um diálogo construtivo...agressões, palavrões ou mesmo ataques pessoais vão ser solenemente excluídos. Comentários que tem uma base de raciocínio e um desejo sincero para aprofundar sobre os temas citados serão muito bem recebidos e publicados. Seria interessante (não obrigatório)ao postar o usuário se identificar!